Hermenêuticas da pandemia 2: Ter e não ter paciência

Por Fábio Fonseca de Castro, doutor em sociologia, professor do PPGDSTU-NAEA, Ppgcom e Facom, UFPA.

Diante da pandemia, tenho visto muitos exercícios de paciência e algumas rebeliões. Paciência em relação ao isolamento, em relação à ausência de Estado, à ausência de Governo, em relação aos aparelhos médicos que entram por nosso corpo para permitir nossa vida, em relação aos tratamentos médicos, à espera pela cura que virá ou não e em relação à morte, tanto de pessoas conhecidas como de desconhecidos. E impaciência, na mesma medida, embora não necessariamente na mesma proporção, em relação a tudo isso. A pandemia nos coloca nos confins de um mundo e face a outro – que, no entanto, ainda é intangível.

Ralph Waldo Emerson, um dos filósofos que mais cultivou a relação entre paciência e distanciamento social, escreveu o seguinte, em Sociedade e Solidão, no ano de 1870:

A solidão é impraticável e a sociedade é fatal. Precisamos ter nossa mente em uma e nossas mãos na outra. Conseguiremos se, guardando nossa independência, não percamos nossa sensibilidade.

Emerson

Impossível maior contemporaneidade, embora escrevesse a propósito de solidão e de um isolamento voluntário no mundo da natureza – ou melhor no mundo distante da “civilização”.

Há uma longa tradição reflexiva sobre “ter e não ter paciência”. Bem antes de Emerson, no seu século XVII, Blaise Pascal, nos seus “pensamentos sobre o divertimento” escreveu o seguinte:

Digo frequentemente que a infelicidade dos homens vem de uma única coisa, que é não saber ficar quieto em um quarto. Um homem que tem o suficiente de bem para viver, se ele soubesse ficar feliz no seu quarto, não sairia para ir à praia ou sentar num banco de uma praça. 

Pascal

Igualmente contemporâneo. Mas é claro que nem todos podem ficar num quarto, isolados, e alguns que podem, não conseguem.

O que remete a Xavier de Maistre, outro pensador francês, desta vez do século seguinte ao de Pascal, que satirizou as narrativas de viagem, que iam se tornando comuns em seu tempo, no seu “Voyage autour de ma chambre” (Viagem ao redor do meu quarto), publicado em 1794.

Maistre descreveu longamente como atravessava seu quarto na diagonal, e também como, simplesmente, ziguezagueava sem rumo pelo espaço, ou ainda… imaginem…

E, claro, há os que não tiveram paciência alguma. Há o que se desesperaram e que elogiaram o desespero, como Søren Kierkegaard, no seu “Tratado do desespero” que, discutindo as variadas formas da solidão humana, disse, “É uma vantagem infinita poder se desesperar”.

Desespero esse que se assemelha ao que foi experimentado pelo personagem de Stefan Zweig na novela “Schachnovelle” (O Jogador de Xadrez) – por sinal escrita no Brasil, e que retrata o ambiente mental vivenciado pelo escritor, meses antes do seu suicídio.

Nessa novela, um homem, o advogado austríaco Senhor B., fora preso numa pequena cela, pelo regime nazista, tendo por companhia única um livro de xadrez. Ele acaba decorando as 150 partidas clássicas da história do xadrez, que o livro discute e, em seguida, passa a jogar novas partidas, imaginárias. Os dias se passam lentos e solitários e, associados à angústia da prisão, acabam por leva-lo a uma espécie de desespero existencial e a um processo de esquizofrenia.

Ter e não ter paciência ateste, sobretudo, um limite. Não um limite preciso, tal como as fronteiras intercambiáveis. Etimologicamente, confim, com fim, significa o lugar onde um espaço termina e outro começa. Onde um mundo termina e outro começa. E é interessante perceber que, de modo algum, é um espaço sabido, claro, preciso. Tanto que é um termo melhor utilizado no plural: confins. Essa observação foi feita por Derrida: “‘confins’ (idiome français) s’écrit […] au pluriel”, por que os confins são esfumaçados, nublados, tênues, imprecisos. O mesmo vale para a língua portuguesa.

E isso remete à noção de confins desenvolvida no romance “Le Rivage des Syrtes”, de Julien Gracq, que resta um dos livros mais mais gostei de ler em toda minha vida de leitor. Nele, na outra margem do mar – sobre o qual não se podem traçar fronteiras – habita o povo dos Syrtas, com seus mistérios, com sua liberdade, que nos fazem ter impressão de que nós estamos presos num mundo restrito e minúsculo.

Não são eles, os Syrtas, que habitam os confins do mundo, mas eu, leitor, que estou confinado deste lado.

Essa ideia poderia servir a muitas épocas, mas não a esta, ainda vazia de Syrtas. Afinal, dentro de casa ou nas ruas, continuamos confinados.

Nesse sentido, já nem há contrários entre o “ter” e o “não ter” paciência. As fronteiras entre esses dois estados vão ficando porosas. Ainda é possível a revolta, como propôs Kierkegaard, mas quando isso significa ultrapassar as fronteiras, sabendo-se que ainda se está confinado em qualquer lado que se esteja delas, só resta o velho jogo do xadrez imaginário de Zweig.


Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.