Reinvenções e barreiras. Desafios da educação em tempo de pandemia.

Por Jordan Navegantes e Juliane Nascimento

 

“Eu não domino a tecnologia” (J.S.) 

“É um tempo de se reinventar” (J.S.)

“Eu nunca tinha gravado videoaulas” (J.S.) 

“A gente tem que se adequar a meios que a gente não tá acostumado” (R.M)

“A gente precisa ter acesso à internet pra poder estudar” (R.M.)

Estas são frases ditas por duas pessoas que, em diferentes papéis, têm, em comum, fatores que perpassam por contextos distintos. Além de morarem no mesmo distrito – Icoaraci -, possuem condição financeira baixa, são negros e compartilham um grande percalço neste momento: vivenciar a educação em meio à pandemia pela covid-19.

Raimundo Monteiro, de 19 anos, é estudante do 3º ano do Ensino Médio na Escola Estadual Coronel Sarmento. Em breve, ele irá prestar o ENEM (Exame Nacional do Ensino Médio) e sonha entrar para a Universidade. Porém, vê-se sem grandes expectativas diante dos problemas que ele tem vivenciado.

Ele se mudou de Santa Cruz do Arari, no Marajó, para Belém, junto à família, composta pela mãe, pai, e irmão, em 2014. Vieram em busca de uma condição de vida melhor. Trabalho; estudo; oportunidades. Oportunidades estas cada vez mais distantes e, somadas aos recortes sociais com os quais Raimundo convive, aparentemente inalcançáveis. 

Nesse meio período, eu tive que começar a trabalhar, por conta que eu precisava ajudar em casa, meus pais não tavam com uma condição financeira boa“[1]. Há quatro meses, o estudante trabalha como garçom em um restaurante na orla de Icoaraci. Dentre os estudantes na faixa etária entre 19 a 24 anos, de acordo a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad Contínua), em 2019, 48,3% estavam trabalhando. Segundo a IDados, 924 mil alunos do ensino público convivem com a dupla jornada entre vida estudantil e trabalho. Informação divulgada em 2019.

Hoje, a escola em que ele estuda já tem realizado aulas online. Até semanas atrás, ele recebia apenas alguns materiais via internet e estudava pelas apostilas que já possuía em casa. Ele reconhece:

Eu tenho acesso à internet. Alguns dos meus amigos não têm. E isso é bem complicado pra eles.”

Ele acrescenta,

A gente tem que ter uma escolha. Ou a gente tem internet ou a gente paga pra imprimir uma coisa. E isso é caro. Nem todo mundo tem esse dinheiro.”

E conclui o estudante, “A gente precisa ter acesso à internet pra poder estudar[2]

Imagens 1 e 2: Raimundo Monteiro

 

 

 

 

Fotos: Jordan Navegantes

É muito importante destacar que, entre a juventude negra e pobre, a exclusão digital é bem mais expressiva. De acordo com a pesquisa TIC Domicílios 2019, divulgada em Maio de 2020, 143 milhões de brasileiros têm acesso à internet, porém isso não quer dizer que todos possuem uma internet de qualidade, mostrando que estamos longe de uma real democratização da internet.  A pesquisa diz que, dentre os usuários de internet que a utilizam exclusivamente pelo celular, 85% fazem parte da população mais pobre do país. Além disso, dentre esses 58% de brasileiros que possuem internet limitada aos smartphones, 65% são de pessoas negras.

E por falar nessa exclusão digital, é preciso falar sobre Jucinaida Simões, de 45 anos. Professora há mais de 17 anos, ela se viu em uma situação na qual foi preciso persistir e se desafiar ao “novo”. Nascida em uma periferia de Belém do Pará, ela não teve acesso a cursos de informática e ao aprendizado prático de plataformas digitais ou a aplicativos de vídeo e transmissões simultâneas, por exemplo. Nem à internet, por muito tempo. 

No trabalho, me senti insegura e angustiada, pois tive que me adaptar e me reinventar para utilizar ferramentas que não dominava, com tecnologias alternativas, como vídeos e manuseio de plataformas para aulas online”[3] disse a professora.

Imagens 3 e 4: Jucinaida Simões

Fotos: Jordan Navegantes

Jucinaida dá aula em uma escola particular para uma turma de 3º ano do ensino fundamental. Antes do período da pandemia pelo novo coronavírus iniciar, Jucinaida dependia de que sua filha, Diana Jhulia, 23, a ajudasse com a produção de materiais e provas, uma vez que a professora não possuía, como já dito, o conhecimento básico de informática. 

Eu dependia da minha filha para tudo quando precisava redigir textos e avaliações. Começo do ano, a Jhulia se mudou para fazer mestrado em fitotecnia na Universidade Federal de Viçosa e eu me vi obrigada a aprender a fazer essas coisas sozinha. Não foi e não é nada fácil, mas a escola em que eu trabalho me ofereceu toda uma capacitação e treinamento com as plataformas”[4]

contou a docente,

Uma pesquisa realizada pela UFMG e pela CNTE (Confederação Nacional dos Trabalhadores em Educação) aponta que 89% dos professores de escolas públicas no Brasil não possuíam experiência alguma com aulas remotas antes do período pandêmico atual e 42% seguiam, até a divulgação da pesquisa, sem receber preparação alguma para tal.

Jucinaida não dá aulas em escolas da rede pública de ensino e pôde contar com o apoio da escola na qual trabalha; mas, ainda assim, convive com dificuldades de se adaptar a determinadas tecnologias. Então, o que esperar do ensino aplicado e do aprendizado recebido nas escolas públicas em 2020?  No qual, a maior parte dos docentes não possuem a experiência com plataformas digitais de vídeo. No qual, também, a expressiva parte dos estudantes possuem uma internet limitada e acessam apenas via celular. 

Infelizmente, perdi amigos, vizinhos, parentes de alunos meus. Pessoas que, mesmo saudáveis, fazem parte de uma estatística cruel que ficará marcada na memória”, disse a educadora, que desabafa: “Não tá fácil pra ninguém. Comigo não seria diferente”[5]

Sim. É um tempo difícil. Momento de repensar atitudes; pensar no outro; lutar. Lutar muito. A pandemia pelo novo coronavírus, muito além de uma questão de saúde, é uma questão de desigualdade social. Seria esse também um momento de repensar, principalmente, nossas comunicações? Tempo de empatia e mudanças? Finalizou Jucinaida Simões: “É um tempo de se reinventar”.

Assista esta e outras entrevistas no documentário “Cores de uma pandemia”, no link: https://www.youtube.com/watch?v=icMmm5LJu2w.


[1] A entrevista com Raimundo Monteira que dá subsídio a este texto foi concedida no dia 27 de outubro 2020.

[2] Idem.

[3] Em entrevista concedida em 26 de outubro 2020.

[4] Idem.

[5] Idem.


Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.