Etnografias da pandemia 3: Uma comunidade quilombola e a Covid-19

Por Marina Ramos Neves de Castro, doutora em antropologia, professora do Ppgcom e da Facom, UFPA.

Itapocu é uma comunidade rural quilombola que fica a cerca de 2h de viagem, de barco, de Cametá. Pertence ao distrito de Juaba, uma vila referência para os itapocuenses, pois é lá que na maioria das vezes, por ficar mais próximo de Itapocu em relação a Cametá, estes vão a feira comprar a comida da semana.

A base da economia de Itapocu vem da roça, da aposentadoria e pensões de trabalhadores rurais e do bolsa família. Acrescente-se também o benefício recebido através da Associação da Colônia de Caça e Pesca, o defeso, o benefício recebido uma vez por ano. Note-se que muitos fazem a solicitação do defeso, mas poucos são atendidos.

Ivone mora com os três filhos – os dois mais velhos de 13 e 15 anos, um casal, frutos da primeira relação, cujo pai mora em Belém, o marido atual e a filha mais nova, de 8 anos. A família de Ivone mora na Comunidade há cerca de 10 anos, depois que esta voltou de uma temporada em Belém, onde veio para trabalhar no serviço doméstico. Próximo a casa de Ivone mora sua mãe juntamente com seu irmão.

A casa Ivone fica a cerca de 5 minutos da ‘Comunidade’, ou seja, a Comunidade Cristão CC, local onde fica a Igreja da propriamente Comunidade. De acordo com Ivone, hoje moram cerca de cinquenta famílias em Itapocu; a cidade possui duas mercearias – mas onde produtos são mais caros e ‘só vende enlatados’, e dois bares – hoje apenas um funciona, mas vendendo bebidas para serem consumidas fora daquele local.

O mês de maio é especial para a comunidade, pois é quando ocorre o mês mariano, que é o mês do ano quando o terço é rezado durante a última quinzena do mês, todas às noites, na Igreja da Comunidade. Um momento importante de encontro e de afirmação de laços e crenças.

A igreja é dirigida pela paroquia de Cametá, de Santa Maria. O padre responsável vem de vez em quando à comunidade. Geralmente há duas missas anuais, uma de visita, uma da festa de padroeiro, e, quando ocorre, por exemplo, outra as missas “litúrgicas de sacramento”. Não há igrejas evangélicas na comunidade.

Aos sábados ocorre a catequização, assim como as reuniões para a tomada de decisão da comunidade.

Aos domingos ocorrem as reuniões, não só para ouvir a palavra de Deus, Celebração dominical, mas encontrar amigos e familiares que, apesar de morarem na mesma área rural, não ficam tão próximos. Com a pandemia esses encontros foram suspensos

Com a pandemia do covid-19, o terço do rito mariano que está ocorrendo em maio, está sendo realizado nas casas dos moradores da comunidade, e não na Igreja, como era de costume nos anos anteriores. No caso de Ivone, sua família reúne-se com mais duas famílias/casas, a de sua mãe e a de uma vizinha próxima, e o terço vem sendo feito a cada dia em uma casa diferente. E assim a comunidade segue fazendo o rito mariano que ocorre no mês de maio, evitando, segundo Ivone, “uma aglomeração maior de pessoas”.

Não há posto de saúde na comunidade. Para vacinação ou uma emergência qualquer, as pessoas devem se locomover até Juaba, onde tem enfermeiros capacitados para os primeiros socorros. Quando não resolve lá, o doente é levado de carro para a vila de Cametá. Foi o caso do irmão de Ivone que, ás 9h da noite sofreu um AVC, percorrendo uma estrada de chão batido que pode levar até 2h de viagem até chegar em Cametá. E quando chove é preciso encontrar uma lancha que possa fazer o transporte, o que pode chegar até três horas de deslocamento. A falta de atendimento em tempo hábil levou ao falecimento de Josué aos 36 anos de idade.

Segundo uma antiga moradoras de Itapocu que hoje mora em Belém, irmã de Ivone, “Itapocu não aparece no mapa, não existe para as autoridades, só existe em tempo de eleição para pedirem voto. A comunidade é totalmente desassistida!”

A necessidade que a Comunidade tem em relação a Cametá é imensa, pois nem em Itapocu e nem em Juaba há qualquer agência bancária. Ainda neste início do mês de maio Ivone precisou se deslocar para Cametá para poder receber o bolsa família, retirar o dinheiro da aposentadoria da mãe e da pensão da avó.

Assim como a mãe, Ivone além dos trabalhos domésticos, ela trabalha na roça junto ao marido, plantando mandioca, milho, melancia e verduras para a subsistência da família, além de, vez ou outra, conseguir vender o excedente da produção de farinha em Cametá. Com a pandemia a rotina da semana na roça mudou, e as idas à Cametá delimitou-se a uma vez por mês para receber, junto ao banco, os rendimentos devidos. Os filhos passam a estar mais presentes em casa e a participar das tarefas domésticas. Eduarda assumiu algumas funções como varrer a casa e lavar a louça de maneira mais sistemática. O banho continua sendo no igarapé. A propósito, com a pandemia Ivone nos revela que quando ela precisa sair, ao voltar para a casa ela antes de entrar vai tomar banho, se lavar no igarapé.

Outra prática costumeira em Itapocu era o jogo de futebol quase diário que ocorria por volta das 17h na comunidade. Em tempos de covid-19 os jogos estão suspensos. A comunidade tem se mobilizado sem, segundo Ivone, qualquer participação do governo. “A gente se sente desamparado, sem nenhuma informação, sem nenhuma orientação.  Não tem agente de saúde”. Toda e qualquer orientação vem da televisão – presente em boa parte das moradias, mas não em todas as casas, um exemplo é que nem na casa de Ivone e nem na casa da mãe de Ivone, tem televisão – e do rádio, e, suponho, de amigos e parentes que moram, principalmente em Belém.

Quanto ao agente de saúde, segundo Ivone é uma senhora de idade ela que mudou-se para Cametá, “e hoje em dia é sua filha que faz o serviço”, ou seja, passar uma vez no mês para “pegar assinatura” e, quando é preciso, fazer o necessário para que quem deve possa receber o bolsa família. A preocupação de Ivone é que “muitas pessoas não tem consciência da doença e não cumprem as regras das autoridades”.

Voltando a questão sobre as formas de comunicação que levam à informação sobre a andemia e os processos de quarentena e combate, além da televisão e do rádio, este ainda mais presente que as televisões, internet só tem em três residências, ainda assim com uma conexão muito rudimentar, que não cumpre com uma participação mais democrática, ainda que seja no recebimento de dados.

Tenho imensas dificuldades para falar com Ivone. As vezes consigo por telefone celular. Como o dela funciona com antena, e a distância que se interpõe entre nós, mais a deficiência de cobertura no interior do Pará, nossa comunicação é interrompida sistematicamente. Mensager também não funciona bem; as mensagens não são enviadas automaticamente, as palavras que me chegam são truncadas e o telefone de Ivone provavelmente é bem limitado. Ela não tem internet, não usa o Whatsapp e nem qualquer rede social.


Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.