Fenomenologia da pandemia 9: A reflexividade do tempo longo

Por Fábio Fonseca de Castro, doutor em sociologia, pesquisador do Sisa.

A pandemia, seja por meio da ansiedade diante da tragédia em curso, seja por meio do confinamento, favorece uma certa autoreflexividade que tateia a lonjura do tempo. Um autorreflexividade temporal centrada num misto de medo e tédio. Sim, nem sempre o medo resulta em pânico: há formas longas de medo, formas do medo mediadas pela quotidianidade, pela duração, pelo impasse.

A humanidade sempre teve medos de longa duração. Medos atávicos e cíclicos, que se renovam periodicamente, como o medo na noite e do escurecer; o medo do frio dos lugares frios; o medo da chuva, nos lugares mais úmidos; o medo das chagas, nas cidades portuárias, durante o verão; o medo das pragas que precede cada colheita…

Todas essas experiências são formas sociais do medo que se apresentam como exponenciais, potenciais e que, nesse sentido, não caminham ao lado do daquela outra forma social do medo, relacionada ao evento, ao fato, ao enfrentamento da situação.

Na pandemia, nós alteramos essas duas formas sociais do medo: numa hora, ele tem iminência, e em outra, tem preeminência. Numa hora é imediato e, na outra, potencial.

Certo, para muitos não há medo – ou, ao menos, a vontade política de afirmar não haver medo. Mas isso não oblitera a constante inconstância do medo, seja numa de suas formas sociais, seja na outra.

No medo imediato, o tempo acelera, encurta, fica perto, beira o pânico.

No medo potencial, o tempo desacelera, alonga, fica longe, beira o tédio.

Pensando aqui nessa última forma social do medo, penso nas suas virtudes. Quando o tempo é mediado pelo tédio ganha potencial reflexivo. É o velho “pensar na vida que passa”… Pensar na finitude… E como há muito a comparar – visto os medos acima referidos – há coisas a dizer.

Primeiramente, penso no que Françoise Dastur falou a respeito da reflexividade produzida como efeito da pandemia: “Ce que nous sommes tous en train de vivre en ce moment devrait nous inciter à devenir vraiment ce que nous sommes : des mortels”

Ou seja, o medo potencial, lento, longo, angustiante, diante do que está nos cercando – com sua permissível reflexividade.

Dastur fala, também, a respeito da função do tédio na produção da temporalidade. Sugere que o tédio (l’ennui) pode permitir perceber o “verdadeiro” presente,

“Ceci permettrait de retrouver une autre temporalité et de vivre véritablement au présent. Car le présent n’est pas seulement cette limite évanescente entre ce qui n’est plus et ce qui n’est pas encore, mais cette dimension essentielle qui retient en elle tout le passé et anticipe tout l’avenir”. Françoise Dastur

Ou seja,

Estamos aqui na dualidade do presente extático e do presente não-extático, colocado por Heidegger e, evidentemente, na dualidade entre o presente vivo e o presente morto, mencionada por Husserl.

O presente não-extático e seu análogo presente-vivo são esforços de impermanência.

A geopolítica das vacinas para COVID – 19. Momento histórico para o mercado nos lembrar quem é o terceiro mundo.

Por, Jessica Solórzano Orellana, doutoranda no PPGDSTU, Programa de Pós-Graduação em Desenvolvimento Sustentável do Trópico Úmido, Núcleo de Altos Estudos Amazônico (NAEA), UFPA.

O dia 21 de janeiro de 2021 o governo do Equador celebrava a chegada de oito mil vacinas contra a COVID-19. Esse evento foi chamado pela mídia nacional, favorável ao governo, como “momento histórico”. O que não se diz desse “momento histórico” é que tinham que chegar, nessa data, oitenta e seis mil vacinas, contratadas com a farmacêutica Pfizer. O que, na realidade, converte esse “momento histórico” numa “vergonha histórica” da gestão da pandemia no pais. Até o dia 11 de fevereiro de 2021, Equador não tem recebido mais vacinas contra a COVID-19. Contudo, essa vergonha histórica não pode ser só atribuída ao âmbito nacional senão que é e deve ser compartilhada por todo o mundo, na gestão da pandemia.

Muitas críticas têm sido colocadas, no âmbito equatoriano, para a vergonha histórica na negociação de compra e chegada das vacinas ao Equador o que, na verdade, é a crónica de uma morte anunciada: péssima gestão do governo durante todas as fases da pandemia; chegada incompleta do lote de vacinas que permitirá a imunização de só quatro mil pessoas (0,023% da população do país, incluída a mãe idosa do ministro da saúde e seu grupo de cuidadores que, segundo ele não é corrupção, dando conta da arbitrariedade do processo de vacinação no país). Porém, todas as críticas que têm sido elaboradas, ao redor da temática, não dão conta de uma situação particular: os críticos à gestão do governo esquecemos que o Equador é parte do chamado “terceiro mundo” ou do grupo dos “países pobres”, segundo a Organização das Nações Unidas (ONU), e o mercado que se formou ao redor das vacinas, veio para nos lembrar disso.

Já a partir da metade do ano 2020 alguns países, sobretudo do grupo dos chamados “países pobres”, liderados pela Índia e a Sudáfrica, pediram na Organização Mundial de Comercio (OMC), para que as patentes, sobre vacinas e remédios para COVID-19, sejam liberadas. Todos os países foram convocados a se somar numa iniciativa que permitiria que laboratórios de todo o mundo pudessem produzir as vacinas, uma vez descobertas. Porém os blocos de países mais ricos (União Europeia, Norte América, entre outros) não deram passo à petição. Porque? Porque eles previamente tinham repassado grandes quantidades de dinheiro público ás grandes farmacêuticas privadas para o desenvolvimento da(s) vacina(s), com compromissos de compra adiantada de milhões de unidades, mesmo dois ou três vezes a quantidade necessária para imunizar as sus populações (como o fez o Canadá e USA, entre outros).

Fonte: https://www.lamarea.com/2020/12/22/vacuna-covid-patente-se-puede-patentar-el-sol/

Isto esclareceu duas coisas: primeiro, que o poder econômico dos países mais ricos lhes permite interferir na gestão das vacinas do mundo e, segundo, que não existem mecanismos de governança internacional que possam fazer frente às lógicas de mercado decorrentes das negociações econômicas entre Estados e empresas. Assim, revela-se que o mecanismo que se impus, na gestão da oferta e demanda de vacinas para conter a pandemia, foi o mercado, privilegiando o nacionalismo e as respostas baseadas no capital econômico.

Os desdobramentos da eleição dos mecanismos de mercado, sobre instituições/mecanismos de governança internacional, para gestão das vacinas para a COVID-19, têm vários desdobramentos negativos: 1) faz que o mercado das vacinas esteja sob amplo sigilo, entre empresas e Estados, sobre os contratos. Por esse motivo, alguns países como a Colômbia, nem podem divulgar planos de vacinação claros para a sua população. 2) ao monopolizar a demanda mundial de vacinas, pela não liberalização das patentes, Pfizer (a maior comercializadora de vacinas até agora, junto com a empresa Moderna que preveem ganhos exponenciais) não está conseguindo cumprir seus contratos, por problemas em produção e envios, atrasando os cronogramas de vacinação dos países. 3) A desconfiança que gera a lentidão na entrega de vacinas, leva a que os nacionalismos se exacerbem: A União Europeia comprou 400 milhões de vacinas antecipadas e agora, ao ter problemas com seus provedores sobre a entrega das doses acordadas, o bloco está pensando que a “solução” seria controlar fortemente as exportações de vacinas fora do seu território.

Neste contexto, como o mercado lembra aos países quem é o terceiro mundo? Na desigualdade profunda de acesso as vacinas e quem as recebe primeiro. A partir do início da pandemia, os países mais ricos já tiveram e ainda têm a possibilidade financeira de pagos antecipados por insumos médicos e pra eles, ao atuar em bloco, essa possibilidade se multiplica para conseguir acesso à limitada produção de vacinas. Com a América Latina desarticulada, sem as mesmas quantidades de dinheiro disponíveis, sem instituições como a União de Nações Sul-americanas (UNASUR) e com uma Organização de Estados Americanos (OEA) que não está trabalhando como líder na gestão continental da pandemia, países como o Equador está correndo sozinho na carreira pelas vacinas, nem tendo possibilidade de competir com as grandes potencias, senão pelos restos que quedam para os países pobres. Além do mais, os mecanismos de concorrência entre países se exacerbam já que não existe transparência nos custos de produção e distribuição das vacinas ao igual que o número de vacinas já entregadas, uma vez que os contratos com as farmacêuticas tem cláusulas de confidencialidade que impedem a divulgação pública desses dados.

Organismos como a ONU e a OMS tentaram e tentam neutralizar esse contexto: a iniciativa do Fundo de Acesso Global à Vacinas COVID-19 (COVAX pela nomenclatura em inglês) é resultado dessa tentativa, junto com algumas organizações, como a Gates Fundation. Porém existem algumas resistências com esta iniciativa já que aprofunda os mecanismos de mercado de vacinas para covid-19, impõe restrições de escolha aos países “pobres” e poucos países ricos têm se comprometido com a iniciativa. Todavia, é a única opção institucional organizada atualmente para garantir que existam doses de vacinas disponíveis para o “terceiro mundo” ao mesmo tempo que as grandes economias imunizam suas populações.

O atraso na entrega de vacinas para o Equador é catastrófico. Porém, o próprio ministro de saúde equatoriano (gestor ineficiente da pandemia) tem sido um dos atores a se colocar sobre a pouca escolha que tem os governos que participam da iniciativa internacional COVAX. E o Equador não é o único senão que, ao redor de 72 países, estão na tentativa de ter acesso às vacinas ofertadas por esta iniciativa, com fortes restrições para escolher provedor e quantidades a serem compradas. Só para os países pobres os organismos de governança internacional funcionam?

Quais são as previsões, dos países do “terceiro mundo” e do mundo inteiro, no contexto de oferta limitada de vacinas e a procura sem controle no mercado? Segundo o modelo analítico do MOBS Lab o 61% de mortes, no seguinte ano, pode ser evitada se a vacina fosse distribuída, de forma equitativa, entre todos os países de maneira proporcional à sua população, em contraste com o 33% de mortes evitadas se só os países do “primeiro mundo” se imunizam antes do resto do mundo.

Fonte: https://rutakritica.org/blog/2021/02/01/el-mal-gobierno-mata-y-no-hay-tiempo-para-perder/

The Economist indica que se continuam as lógicas de mercado, na distribuição de vacinas, a maior parte de países do mundo (os países do terceiro mundo) só terão acesso às doses no ano 2023. Isto não é um problema unicamente dos Estados Nacionais senão mundial. Contudo, marca uma clara línea entre países ricos e países pobres: a desigualdade no combate à pandemia aprofunda a já grande desigualdade econômica mundial; cresce a possibilidade de que novas variantes do vírus apareçam e deixem sem efeitos as vacinas, além de continuar colapsando sistemas de saúde, sobretudo aqueles mais frágeis (Manaus – Brasil é um claro exemplo disso); limitações em grandes grupos de mercados internacionais, exemplo, turismo de diferentes tipos, que são fonte de renda em muitos países do terceiro mundo.  

Uma das melhores saídas que tem o mundo é abrir as patentes das vacinas, opção discutida por vários cientistas ao redor do mundo contudo com fortes oposições na Organização Mundial do Comercio. No Brasil é uma discussão importante, discutida pelos cientistas, já que sendo o maior pais da América do Sul, com quase 200 milhões de pessoas para imunizar e sendo um dois países com mais número de mortes do mundo, tem a infraestrutura e o capital humano para produzir as vacinas e existem diferentes mecanismos legais para isso. Porém o governo federal tem tido um posicionamento negacionista da pandemia e seus efeitos e é um dos países que se opõe à liberação das patentes o que o deixa, por agora, sem possibilidades de ter uma posição de liderança no continente na produção de vacinas.

E o Hangar?

Por: Vitória Mendes, mestra em Planejamento do Desenvolvimento pelo Programa de Pós-Graduação em Desenvolvimento Sustentável do Trópico Úmido do Núcleo de Altos Estudos Amazônicos (NAEA-UFPA), pesquisadora do Sisa.

“Todos nós temos duas cabeças e duas memórias. Uma cabeça de barro, que será pó, e outra invulnerável para sempre às mordidas do tempo e da paixão. Uma memória que a morte mata, bússola que acaba com a viagem, e outra memória, a memória coletiva, que viverá enquanto viver a aventura humana no mundo.” (Eduardo Galeano. 1760, Bahia: Tua outra cabeça, tua outra memória).

Há, no entanto, uma dimensão política que garante que a memória coletiva sobreviva e seja invulnerável às mordidas do tempo. Há quem decida de que forma a memória coletiva será “preservada” e infelizmente os vencedores têm sido mais eficazes em fazer com que o nosso imaginário coletivo celebre coisas como a colonização, o progresso, o desenvolvimento… Eu não pretendo escrever aqui um ensaio muito elaborado sobre o tema a partir das perspectivas teóricas, mas pensei em compartilhar uma reflexão baseada em nossa reunião mais recente do grupo de pesquisa.

Nós conversávamos sobre o Museu de Bacurau e como aquele espaço físico retratado no filme foi o epicentro da resistência dos moradores na hora do conflito mais sangrento daquele povoado. Isso nos levou a pensar sobre o Hangar, o centro de convenções de Belém que hoje é um hospital de campanha e recebe os pacientes em estado grave da Covid. 

Fiquei especulando sobre o quanto seria estranho voltar a frequentar shows, congressos e feiras nesse lugar. Como voltar a frequenta-lo da mesma forma que fazíamos antes, sabendo que esse mesmo espaço testemunhou de forma tão significativa as dores da pandemia? 

É necessário que não seja esquecido que em lugares como esse centro de convenções perdemos muitas vidas e salvamos outras. Que profissionais da saúde enfrentaram sobrecarga de trabalho, familiares receberam notícias ruins, muita gente morreu. 

Penso que a população de Belém precisa se organizar para que, ao menos uma parte do Hangar seja transformada em um memorial. Um espaço de lembrança dos tantos que se foram, de respeito aos profissionais que estiveram na linha de frente do combate à doença e, sobretudo, de registro histórico da situação política de um país sob um governo genocida.

Gerações futuras precisam saber que a pandemia foi agravada pelo projeto político genocida de Bolsonaro, que não deveríamos ter chegado a2021 sob uma segunda onda de contágio tão letal. É preciso que deixemos registros vivos do pânico e horror que vivenciamos por todo o Brasil e acredito que o Hangar seja o que melhor representa isso em Belém. 

Precisamos elaborar o luto coletivo num país onde mais de 200 mil pessoas morreram. Essa elaboração do luto, lenta e dolorida, não pode ser negligenciada socialmente e deve partir da sociedade civil, pois se dependermos apenas das autoridades para liderar esse processo, correremos um sério risco de continuarmos celebrando a violência e a pulsão de morte. Espaços físicos de memória coletiva cumprem um papel fundamental para os processos de cura, ajudam a lembrar da dor e a restituir, ainda que de forma incompleta, os injustiçados. E podem ser como o museu de Bacurau, um lugar de resistência política.

Porque levantar, sacudir a poeira, virar a página e fingir que esse capítulo tão tenebroso ficou pra trás será a nossa ruína. 

Trabalho publicado: Ensaio Fotográfico sobre nostalgia e saudade em Breu Branco (PA)

De que forma as casas dos moradores de Breu Branco, deslocados compulsoriamente pela Hidrelétrica de Tucuruí, comunicam as saudades do lugar perdido?

Neste ensaio fotográfico publicado recentemente na revista Amazônica, da UFPA, Vitória Mendes e Jorge Mercês, pesquisadores do Sisa, apresentam algumas fotografias registradas em seu trabalho de campo no município de Breu Branco, sudeste paraense.

A ida campo ocorreu em 2016, constituindo a pesquisa de TCC de Vitória e a pesquisa de mestrado do Jorge. Em seus trabalhos, discutem os impactos causados pela construção da Hidrelétrica de Tucuruí nas vidas dos antigos moradores do lugar. 

“Conforme nossas interlocutoras nos davam abertura para que conhecêssemos suas casas, rotinas e modos de viver, observamos como esses lugares também expressavam a dor do deslocamento compulsório: por meio das pinturas, reformas, objetos de decoração, cultivo de plantas, criação de animais, entre tantos outros”, diz Vitória. 

O ensaio, intitulado A nostalgia da vida em Breu Branco: deslocamento compulsório e locus de saudade, está na edição mais recente da Amazônica- Revista de Antropologia, editada pelo Programa de Pós-graduação em Antropologia da UFPA e pode ser acessado pelo seguinte link: https://www.periodicos.ufpa.br/index.php/amazonica/article/download/7479/6538

A edição integral da Amazônica pode, por sua vez, ser acessada aqui: https://www.periodicos.ufpa.br/index.php/amazonica/issue/view/436/showToc

Para visualizar nosso ensaio fotográfico, aqui: 

As dificuldades da comunicação de pessoas surdas na pandemia. Entrevista ping-pong com Lucian Rodrigues.

Por Jordan Navegantes e Juliane Nascimento.

“[com a máscara] eu não consigo entender o que a pessoa tá falando”. (L.R.)

Você bem deve saber o quanto o uso das máscaras é desconfortante, fere, dificulta nossas conversas, e escutas. O uso de máscaras é indispensável na luta contra o novo coronavírus. Mas, você já parou para pensar em como o uso das máscaras impede que deficientes auditivos e pessoas surdas possam fazer leitura labial das pessoas com quem conversam? 30 milhões de brasileiros apresentam algum grau de surdez, segundo a OMS (Organização Mundial da Saúde, 2020). Dentre eles, muitos são oralizados e grande parte consegue compreender uma informação ao ler os lábios de alguém.

Estudante de Letras com habilitação em Libras pela Universidade do Estado do Pará (UEPA), Lucian Rodrigues, de 22 anos, conhece bem os desafios, as lutas e os direitos de uma pessoa que possui deficiência auditiva. Principalmente pelo fato dele ser uma pessoa com surdez.

Morador do bairro do Sideral, na capital paraense, atualmente ele tem passado a maior parte da semana na casa da namorada, Emiliane Nascimento, no centro de Belém. Isso porque, lá, ele conta com o apoio dela e também tem acesso a uma internet de melhor qualidade – o que o ajuda nos estudos e trabalhos.

O atual período pandêmico tem sido marcado por diferentes enfrentamentos, cuidados redobrados e também pelo “novo”. Novas formas de se comunicar surgiram e, dada a importância de uma boa – e salutar – comunicação, estas mudanças são questões de necessidade. 

Imagem 1: Lucian Rodrigues, em um supermercado, conversando com um amigo via rede social Fotografia: Jordan Navegantes. 

J.N: Como tem sido o período da pandemia pra você? Tem enfrentado ou convivido com algum desafio?

L.R: Então, aconteceu que, durante a pandemia, o maior desafio pra mim foi o banco, o supermercado e a loja para fazer compras. Eu ia andando e encontrava com a pessoa usando máscara e tinha essa questão da dificuldade da comunicação, porque a pessoa usava máscara, falava e eu não conseguia fazer leitura labial. Eu dizia: “Eu não tô entendendo você”. Então, essa questão da comunicação era horrível e eu pedia para a pessoa tirar a máscara para pode ler seus lábios. E aí, a pessoa ficava assim: “Ah… Eu acho que não vou poder fazer”. E aí pedia para eu escrever no papel. Só que o atendimento demorava. Aí, às vezes, também a gente usava o celular, mas era grande essa questão da falta de comunicação. Por isso que eu acho importante todos aprenderem libras.

J.N: Você faz leitura labial, o uso das máscaras atrapalhou você nisso?

L.R: Então, eu sou oralizado. E, com o tempo, eu fui diminuindo mais a oralização. Mas, eu sou oralizado, sim! Então, eu tenho dificuldade sobre essa questão da oralização com a máscara, porque eu não consigo entender o que a pessoa tá falando. E também, a minha voz, a pessoa não consegue entender, por causa da questão da leitura labial. E eu sinto dificuldade de verdade. 

J.N: Você usa um tipo de máscara adaptada para surdos, certo? O que isso mudou para você? Qual a importância para o seu cotidiano?

L.R: Então, sobre a questão da máscara: Por exemplo, essa máscara, ela é ruim, veja. Não dá pra fazer a leitura labial. É melhor aquela máscara transparente, porque dá pra ver a boca, dá pra fazer a leitura labial. Quando eu uso, as pessoas me olham e perguntam: “Mas por que você tá usando transparente?”. Aí, eu explico que é para fazer leitura labial, para me comunicar melhor. As pessoas falam: “Ah! Entendi!”. Aí, começo a explicar e, também, a divulgar, né?, sobre a importância das pessoas usarem essa máscara transparente. E algumas começaram a comprar para se comunicar com surdos.

J.N: Se você pudesse definir o período que você tem passado durante a pandemia pela covid-19 em uma cor, que cor seria? E por quê? O que essa cor significa pra você?

L.R: Então, eu fiquei pensando e eu escolho a cor azul, porque essa cor azul, ela representa a comunidade surda. E também, a comunidade surda, a sociedade vê que existe surdo aqui no Brasil. E não podemos esquecer que nós existimos. E também, a questão da acessibilidade na comunicação.

Entrevista realizada em 27/10/2020.

Assista esta e outras entrevistas no documentário “Cores de uma pandemia”, no link: https://www.youtube.com/watch?v=icMmm5LJu2w. Conheça diferentes vivências desse período pandêmico atual. E ouça ao PodCast “As cores de uma pandemia” de hoje, sobre uma médica recém formada, que precisou se formar em meio à pandemia e já trabalhar com casos de covid-19. No link: https://anchor.fm/juliane-nascimento8/episodes/As-cores-de-uma-pandemia-em4kf6

Veja, também, o infográfico abaixo para saber mais informações relacionadas à comunidade surda: 

 

Empreendedorismo feminino e Covid 19. Saiba como profissionais da imagem renasceram durante a pandemia

Por Juliane Nascimento e Jordan Navegantes

Ir ao shopping; fazer compras; encontrar com os amigos, sair para fotografar. Tudo isso era bem comum, mas, na pandemia pelo novo coronavírus, ficar em casa foi o melhor caminho. Com isso, muitos estabelecimentos fecharam e o empreendedor teve que buscar meios para se reinventar.

No trimestre encerrado em julho, a taxa de desemprego no Brasil subiu para o recorde de 3,8% com um fechamento de 7,2 milhões de postos de trabalho em apenas 3 meses, segundo dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Raíssa Lisboa tem 24 anos. Ela é jornalista e fotógrafa paraense. Antes da pandemia, segundo Raíssa, sua agenda de trabalho era lotada. No entanto, para fugir da crise durante o isolamento social, Raíssa buscou um novo meio de produzir e continuar seu trabalho fazendo ensaios virtuais. Suas produções passaram a ser feitas por vídeo-chamadas via WhatsApp, sem deixar de usar as técnicas da fotografia, é claro. “Virou uma terapia, não só para mim, como paras pessoas que estavam sendo fotografadas”, afirma a fotógrafa.

Imagem 01: Raíssa em entrevista realizada em 28/10/2020, na Casa das 11 janelas, Belém.

Fotografia: Juliane Nascimento.

“Reinvenção” foi a palavra-chave não só para Raíssa, como também para a empresária Amanda Alves. Durante o período de lockdown, ela precisou fechar sua loja e levar sua mercadoria para casa, mantendo apenas a loja virtual e fazendo entregas via delivery. As vendas aumentaram e, após esse período, Amanda aumentou a franquia, reabriu a primeira loja e inaugurou a sua segunda loja física. “Eu vi que eu precisava reagir e não podia desistir do meu sonho, até porque eu tenho muito amor pelo meu negócio”, declarou Amanda, que, além de empresária, mãe e digital influencer com mais de 7 mil seguidores no Instagram em seu perfil pessoal, e mais de 34 mil no perfil de sua loja.

Imagem 2: Amanda Alves em uma de suas lojas, entrevista em 28/10/2020.     Fotografia: Jordan Navegantes. 

Amanda e Raíssa fazem parte das 9,3 milhões de mulheres que estão à frente de negócios. Em 2018, mulheres empreendedoras eram 34% dos “donos de negócio”, segundo dados da última Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (PNADC), realizada pelo IBGE.

Essas, são parte da história de duas mulheres que, mesmo diante de barreiras econômicas e sociais, encontraram novos caminhos para se reinventar profissionalmente. Raissa e Amanda são exemplos sobre o empreendedorismo feminino ser, além de uma realização pessoal, uma ação de empoderamento, que incentiva outras mulheres a conquistar o seu espaço e visibilidade para debater questões de gênero que cerca o mundo dos negócios.

O período pandêmico atual tem sido marcado por vivências como essas, de buscas por transformações. Transformações pessoais; transformações no âmbito do trabalho; transformações nas nossas comunicações.

Quando a covid-19 chegou no Brasil, você, por algum momento imaginou que veria profissionais da fotografia fazendo ensaios à distância? E passou pela sua cabeça que pequenas empresas como lojas de roupas atingiriam um faturamento alto mesmo com as portas físicas fechadas? A reflexão aqui não se trata de naturalizar dificuldades, mas sim, de mostrar que, mesmo diante de diversos cenários de caos, medos e perdas, foi possível “renascer”.

As transformações nos processos comunicacionais transpassam por diversas esferas sociais. Para Amanda Alves e Raíssa Lisboa, um momento de lutar pelos sonhos e pela profissão. Tempo de fortalecimento.

Leia, abaixo. um trecho do texto escrito por Amanda Alves, sobre a inauguração da segunda loja física dela:

Imagem 3: Amanda Alves em entrevista realizadas no dia 28/10/2020.      Fotografia: Jordan Navegantes. 

Tudo foi construído aos poucos, passei quase 2 anos somente no online e então veio a tão sonhada loja física”, publicou Amanda, em seu Instagram pessoal – sobre a inauguração de sua segunda loja física, em Setembro de 2020.

Assista esta e outras entrevistas no documentário “Cores de uma pandemia”, no link: https://www.youtube.com/watch?v=icMmm5LJu2w.

Reinvenções e barreiras. Desafios da educação em tempo de pandemia.

Por Jordan Navegantes e Juliane Nascimento

 

“Eu não domino a tecnologia” (J.S.) 

“É um tempo de se reinventar” (J.S.)

“Eu nunca tinha gravado videoaulas” (J.S.) 

“A gente tem que se adequar a meios que a gente não tá acostumado” (R.M)

“A gente precisa ter acesso à internet pra poder estudar” (R.M.)

Estas são frases ditas por duas pessoas que, em diferentes papéis, têm, em comum, fatores que perpassam por contextos distintos. Além de morarem no mesmo distrito – Icoaraci -, possuem condição financeira baixa, são negros e compartilham um grande percalço neste momento: vivenciar a educação em meio à pandemia pela covid-19.

Raimundo Monteiro, de 19 anos, é estudante do 3º ano do Ensino Médio na Escola Estadual Coronel Sarmento. Em breve, ele irá prestar o ENEM (Exame Nacional do Ensino Médio) e sonha entrar para a Universidade. Porém, vê-se sem grandes expectativas diante dos problemas que ele tem vivenciado.

Ele se mudou de Santa Cruz do Arari, no Marajó, para Belém, junto à família, composta pela mãe, pai, e irmão, em 2014. Vieram em busca de uma condição de vida melhor. Trabalho; estudo; oportunidades. Oportunidades estas cada vez mais distantes e, somadas aos recortes sociais com os quais Raimundo convive, aparentemente inalcançáveis. 

Nesse meio período, eu tive que começar a trabalhar, por conta que eu precisava ajudar em casa, meus pais não tavam com uma condição financeira boa“[1]. Há quatro meses, o estudante trabalha como garçom em um restaurante na orla de Icoaraci. Dentre os estudantes na faixa etária entre 19 a 24 anos, de acordo a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad Contínua), em 2019, 48,3% estavam trabalhando. Segundo a IDados, 924 mil alunos do ensino público convivem com a dupla jornada entre vida estudantil e trabalho. Informação divulgada em 2019.

Hoje, a escola em que ele estuda já tem realizado aulas online. Até semanas atrás, ele recebia apenas alguns materiais via internet e estudava pelas apostilas que já possuía em casa. Ele reconhece:

Eu tenho acesso à internet. Alguns dos meus amigos não têm. E isso é bem complicado pra eles.”

Ele acrescenta,

A gente tem que ter uma escolha. Ou a gente tem internet ou a gente paga pra imprimir uma coisa. E isso é caro. Nem todo mundo tem esse dinheiro.”

E conclui o estudante, “A gente precisa ter acesso à internet pra poder estudar[2]

Imagens 1 e 2: Raimundo Monteiro

 

 

 

 

Fotos: Jordan Navegantes

É muito importante destacar que, entre a juventude negra e pobre, a exclusão digital é bem mais expressiva. De acordo com a pesquisa TIC Domicílios 2019, divulgada em Maio de 2020, 143 milhões de brasileiros têm acesso à internet, porém isso não quer dizer que todos possuem uma internet de qualidade, mostrando que estamos longe de uma real democratização da internet.  A pesquisa diz que, dentre os usuários de internet que a utilizam exclusivamente pelo celular, 85% fazem parte da população mais pobre do país. Além disso, dentre esses 58% de brasileiros que possuem internet limitada aos smartphones, 65% são de pessoas negras.

E por falar nessa exclusão digital, é preciso falar sobre Jucinaida Simões, de 45 anos. Professora há mais de 17 anos, ela se viu em uma situação na qual foi preciso persistir e se desafiar ao “novo”. Nascida em uma periferia de Belém do Pará, ela não teve acesso a cursos de informática e ao aprendizado prático de plataformas digitais ou a aplicativos de vídeo e transmissões simultâneas, por exemplo. Nem à internet, por muito tempo. 

No trabalho, me senti insegura e angustiada, pois tive que me adaptar e me reinventar para utilizar ferramentas que não dominava, com tecnologias alternativas, como vídeos e manuseio de plataformas para aulas online”[3] disse a professora.

Imagens 3 e 4: Jucinaida Simões

Fotos: Jordan Navegantes

Jucinaida dá aula em uma escola particular para uma turma de 3º ano do ensino fundamental. Antes do período da pandemia pelo novo coronavírus iniciar, Jucinaida dependia de que sua filha, Diana Jhulia, 23, a ajudasse com a produção de materiais e provas, uma vez que a professora não possuía, como já dito, o conhecimento básico de informática. 

Eu dependia da minha filha para tudo quando precisava redigir textos e avaliações. Começo do ano, a Jhulia se mudou para fazer mestrado em fitotecnia na Universidade Federal de Viçosa e eu me vi obrigada a aprender a fazer essas coisas sozinha. Não foi e não é nada fácil, mas a escola em que eu trabalho me ofereceu toda uma capacitação e treinamento com as plataformas”[4]

contou a docente,

Uma pesquisa realizada pela UFMG e pela CNTE (Confederação Nacional dos Trabalhadores em Educação) aponta que 89% dos professores de escolas públicas no Brasil não possuíam experiência alguma com aulas remotas antes do período pandêmico atual e 42% seguiam, até a divulgação da pesquisa, sem receber preparação alguma para tal.

Jucinaida não dá aulas em escolas da rede pública de ensino e pôde contar com o apoio da escola na qual trabalha; mas, ainda assim, convive com dificuldades de se adaptar a determinadas tecnologias. Então, o que esperar do ensino aplicado e do aprendizado recebido nas escolas públicas em 2020?  No qual, a maior parte dos docentes não possuem a experiência com plataformas digitais de vídeo. No qual, também, a expressiva parte dos estudantes possuem uma internet limitada e acessam apenas via celular. 

Infelizmente, perdi amigos, vizinhos, parentes de alunos meus. Pessoas que, mesmo saudáveis, fazem parte de uma estatística cruel que ficará marcada na memória”, disse a educadora, que desabafa: “Não tá fácil pra ninguém. Comigo não seria diferente”[5]

Sim. É um tempo difícil. Momento de repensar atitudes; pensar no outro; lutar. Lutar muito. A pandemia pelo novo coronavírus, muito além de uma questão de saúde, é uma questão de desigualdade social. Seria esse também um momento de repensar, principalmente, nossas comunicações? Tempo de empatia e mudanças? Finalizou Jucinaida Simões: “É um tempo de se reinventar”.

Assista esta e outras entrevistas no documentário “Cores de uma pandemia”, no link: https://www.youtube.com/watch?v=icMmm5LJu2w.


[1] A entrevista com Raimundo Monteira que dá subsídio a este texto foi concedida no dia 27 de outubro 2020.

[2] Idem.

[3] Em entrevista concedida em 26 de outubro 2020.

[4] Idem.

[5] Idem.

Etnografias da pandemia 4: Educação e pandemia

Por Marina Ramos Neves de Castro, doutora em antropologia, professora do Ppgcom e da Facom, UFPA.

Amadeu é aluno da Universidade Federal do Pará. Ele mora no distrito de Mosqueiro, cidade de Belém do Pará com seus pais, a avó materna e um casal de irmãos. A prima Vitória, embora criada com eles, hoje mora na casa dos pais, mas fora passar ali a quarentena; ”Somos como irmão, e vez por outra ela passa uma temporada aqui”, coloca Amadeu.

A família é proprietária de uma escola de nível fundamental – do maternal à 5ª série – no distrito de Mosqueiro, onde trabalham a avó, diretora da escola; a mãe, coordenadora; tias e primas, todas com formações pedagógicas. Segundo Amadeu é “uma escola familiar de pequeno porte, com valor acessível”.

Durante a pandemia todos na família, na medida do possível, procuram manter a risca a quarenta, no entanto, enquanto donos da escola, e com responsabilidades que lhe exigem respostas às questões colocadas pela quarentena, há a necessidade dos membros da família deslocarem-se à escola para resolverem questões não somente burocráticas, mas sociais, econômicas e pedagógicas. Amadeu observa que a avó faz parte do grupo de risco “e não pode estar presente na escola”, então duas de suas filhas que são coordenadoras estão à frente das questões urgentes, deslocando-se diariamente à escola.

As dificuldades advindas com a suspensão das aulas em todo o estado do Pará para esta escola, vão da manutenção da mesma e do salário dos professores e funcionários, às questões de produção do conteúdo pedagógico para o uso de novas plataformas à inadimplência – visto que, segundo Amadeu “se já tinham aqueles que já tinham o costume de não pagar, de atrasar. Agora mesmo que não estão e não vão pagar. Já estão se recusando a pagar”. A superação da inadimplência é crucial para a manutenção de todo o resto.

A questão da manutenção da escola, pagamento dos salários de seus funcionários e manutenção dos professores são questões que, segundo Amadeu está preocupando a família. O desassossego quanto a isso foi parcialmente agravado com uma proposta que, naquele momento, estava tramitando na Assembleia Legislativa do Estado, de obrigar as escolas a disponibilizarem o desconto de 30% nas mensalidades escolares enquanto durasse a pandemia. Diante disso Amadeu observa que

“Tem sentido porque a escola não está tendo muita despesa com energia elétrica, por exemplo, é um momento de solidariedade e se tem que compreender que os pais podem estar recebendo menos. Faz sentido, faz. Mas tem Escolas e Escolas, pois tem escolas que o ensino infantil é 500 reais, 700, 800, enfim, lá (na escola da família) a mensalidade, o teto é 300 reais a mensalidade, mas quase nenhum aluno paga isso. Quase todos têm um desconto. Muitos pais pagam a metade, 150 reais. Quanto mais filhos uma família tem, maior o desconto. Reduzir 30% de uma mensalidade que custa em média 250 reais, e uma equipe no total de 21 funcionários está sendo bem complicado. Fora os que eram inadimplentes. Estão torcendo para que o Helder não aprove isso. Não sancione, porque está complicado. Os pais estão exigindo. Mas ainda não foi sancionado”.

Quanto a produção e confecção do material didático, Amadeu observa a grande dificuldade dos professores em produzir vídeos, assim como de produzir aulas e material a serem disponibilizados online para dar conta da demanda do currículo escolar e, também, da demanda dos pais, que exigiam uma resposta efetiva e rápida da escola às necessidades de aprendizagem e de atividades de seus filhos. Nesse sentido Amadeu foi importante, seja na produção de vídeos com conteúdo referente a cada série escolar e a cada professor, seja na disponibilidade desse conteúdo online, instrumentalizando tanto a substância da comunicação, como a mídia necessária para que essa substância/conteúdo chegasse aos alunos. “Precisei dar uma mão porque eles não entendiam de nada, absolutamente nada. Não conseguiam fazer um vídeo, e nem postar na internet.”

Foi considerado também pela equipe da escola as crianças que não tinham acesso à internet; muitas dentre elas. A resposta da escola foi disponibilizar xerox de todas as atividades. Muitas dessas atividades tiveram que ser substancialmente incrementadas – aumentadas e diversificadas -, visto que seriam realizadas pelas crianças sem a presença do professor e com a provável participação dos pais ou de outro adulto sem a formação adequada para trabalhar aquele conteúdo com a criança. Assim, esse material foi disponibilizado na escola para que cada familiar responsável pudesse ter acesso e levá-lo para casa.

Um mês depois dessa entrevista, continuamos com as aulas suspensas em todo o Estado do Pará. Quatro meses de pandemia e quarentena e não temos, nem a nível federal nem, nível estadual e nem a nível municipal, uma política que faça face às dificuldades no campo da educação (nem da saúde, nem da economia ou qualquer outra) que possa dar respostas, qualquer que seja, às necessidade e demandas da sociedade brasileira. Seguimos à mercê, sem Estado!

Hermenêuticas da pandemia 2: Ter e não ter paciência

Por Fábio Fonseca de Castro, doutor em sociologia, professor do PPGDSTU-NAEA, Ppgcom e Facom, UFPA.

Diante da pandemia, tenho visto muitos exercícios de paciência e algumas rebeliões. Paciência em relação ao isolamento, em relação à ausência de Estado, à ausência de Governo, em relação aos aparelhos médicos que entram por nosso corpo para permitir nossa vida, em relação aos tratamentos médicos, à espera pela cura que virá ou não e em relação à morte, tanto de pessoas conhecidas como de desconhecidos. E impaciência, na mesma medida, embora não necessariamente na mesma proporção, em relação a tudo isso. A pandemia nos coloca nos confins de um mundo e face a outro – que, no entanto, ainda é intangível.

Ralph Waldo Emerson, um dos filósofos que mais cultivou a relação entre paciência e distanciamento social, escreveu o seguinte, em Sociedade e Solidão, no ano de 1870:

A solidão é impraticável e a sociedade é fatal. Precisamos ter nossa mente em uma e nossas mãos na outra. Conseguiremos se, guardando nossa independência, não percamos nossa sensibilidade.

Emerson

Impossível maior contemporaneidade, embora escrevesse a propósito de solidão e de um isolamento voluntário no mundo da natureza – ou melhor no mundo distante da “civilização”.

Há uma longa tradição reflexiva sobre “ter e não ter paciência”. Bem antes de Emerson, no seu século XVII, Blaise Pascal, nos seus “pensamentos sobre o divertimento” escreveu o seguinte:

Digo frequentemente que a infelicidade dos homens vem de uma única coisa, que é não saber ficar quieto em um quarto. Um homem que tem o suficiente de bem para viver, se ele soubesse ficar feliz no seu quarto, não sairia para ir à praia ou sentar num banco de uma praça. 

Pascal

Igualmente contemporâneo. Mas é claro que nem todos podem ficar num quarto, isolados, e alguns que podem, não conseguem.

O que remete a Xavier de Maistre, outro pensador francês, desta vez do século seguinte ao de Pascal, que satirizou as narrativas de viagem, que iam se tornando comuns em seu tempo, no seu “Voyage autour de ma chambre” (Viagem ao redor do meu quarto), publicado em 1794.

Maistre descreveu longamente como atravessava seu quarto na diagonal, e também como, simplesmente, ziguezagueava sem rumo pelo espaço, ou ainda… imaginem…

E, claro, há os que não tiveram paciência alguma. Há o que se desesperaram e que elogiaram o desespero, como Søren Kierkegaard, no seu “Tratado do desespero” que, discutindo as variadas formas da solidão humana, disse, “É uma vantagem infinita poder se desesperar”.

Desespero esse que se assemelha ao que foi experimentado pelo personagem de Stefan Zweig na novela “Schachnovelle” (O Jogador de Xadrez) – por sinal escrita no Brasil, e que retrata o ambiente mental vivenciado pelo escritor, meses antes do seu suicídio.

Nessa novela, um homem, o advogado austríaco Senhor B., fora preso numa pequena cela, pelo regime nazista, tendo por companhia única um livro de xadrez. Ele acaba decorando as 150 partidas clássicas da história do xadrez, que o livro discute e, em seguida, passa a jogar novas partidas, imaginárias. Os dias se passam lentos e solitários e, associados à angústia da prisão, acabam por leva-lo a uma espécie de desespero existencial e a um processo de esquizofrenia.

Ter e não ter paciência ateste, sobretudo, um limite. Não um limite preciso, tal como as fronteiras intercambiáveis. Etimologicamente, confim, com fim, significa o lugar onde um espaço termina e outro começa. Onde um mundo termina e outro começa. E é interessante perceber que, de modo algum, é um espaço sabido, claro, preciso. Tanto que é um termo melhor utilizado no plural: confins. Essa observação foi feita por Derrida: “‘confins’ (idiome français) s’écrit […] au pluriel”, por que os confins são esfumaçados, nublados, tênues, imprecisos. O mesmo vale para a língua portuguesa.

E isso remete à noção de confins desenvolvida no romance “Le Rivage des Syrtes”, de Julien Gracq, que resta um dos livros mais mais gostei de ler em toda minha vida de leitor. Nele, na outra margem do mar – sobre o qual não se podem traçar fronteiras – habita o povo dos Syrtas, com seus mistérios, com sua liberdade, que nos fazem ter impressão de que nós estamos presos num mundo restrito e minúsculo.

Não são eles, os Syrtas, que habitam os confins do mundo, mas eu, leitor, que estou confinado deste lado.

Essa ideia poderia servir a muitas épocas, mas não a esta, ainda vazia de Syrtas. Afinal, dentro de casa ou nas ruas, continuamos confinados.

Nesse sentido, já nem há contrários entre o “ter” e o “não ter” paciência. As fronteiras entre esses dois estados vão ficando porosas. Ainda é possível a revolta, como propôs Kierkegaard, mas quando isso significa ultrapassar as fronteiras, sabendo-se que ainda se está confinado em qualquer lado que se esteja delas, só resta o velho jogo do xadrez imaginário de Zweig.

Fenomenologia da pandemia 8: Projeções distópicas, visões do caos e do apocalipse e suas dialéticas contradições

Por Fábio Fonseca de Castro, doutor em sociologia, professor do PPGDSTU-NAEA, Ppgcom e Facom, UFPA.

No imaginário que cerca a pandemia tem grande peso a ideia de um futuro sombrio, de uma civilização em ruínas. Os indicativos de que o vírus não imuniza quem foi contaminado e de que ele sofre rápidas mutações, ampliando sua agressividade, amplia ainda mais essa perspectiva sombria, pois instala a ideia de que ondas de contaminação se sucederão, ceifando cada vez um número maior de vítimas.

É claro que no fundo dessa distopia sempre há a crença de que, no fim do caminho, uma outra sociedade nascerá, com os remanescentes. É o prêmio dialético de toda distopia.

Aliás, há uma utopia presente em muitas distopias. No caso presente, essa utopia está na atitude de muitos em festejar a grande pausa ambiental dada ao planeta pela pandemia. E também há a utopia dos que esperam a oportunidade de uma reconstrução da sociedade com bases mais socialistas e humanas. Neste caso, tanto a percepção da necessidade premente e absoluta do Estado socializante, como as redes de solidariedade disseminadas, contribuem para a crença num mundo diferente – caso o mundo sobreviva. No primeiro caso, os dados sobre recuperações ambientais são impressionantes, ainda que proporcionais ao curto espaço de dois a três meses de contenção.

Não obstante, as distopias-utópicas não se superpõem às puras distopias, que fabulam mais alto: de uma pós-pandemia pautada pela vigilância do Estado e de uma nova racionalidade de mercado ainda mais opressora, nas hipóteses mais brandas, à destruição total de algumas espécies, notadamente da, digamos assim, nossa.

De todo modo, tudo indica que há um fenômeno tangente e tangencial nesses imaginários, sejam eles distópicos, sejam eles distópicos-utópicos: a experiência do medo visceral da morte do grupo.

Anne-Marie Moulin, escrevia, a 22 de março passado, que convivemos com um medo pré-histórico, ancestral, que estaria abrigado na cavidade de nosso hipocampo – essa misteriosa estrutura do cérebro, tão profunda que é compartilhada com muitas espécies. Os neurologistas identificam, no hipocampo, um centro de emoções vitais, que guardaria nossa memória biológica mais profunda. Esse medo, da morte coletiva, da contaminação do grupo, seria um medo visceral, que nos acompanha ao longo da evolução biológica, ganhando forma social diante das novas experiências e ameaças.

Uma fenomenologia da distopia poderia partir desse medo, mas considerando que trata de uma ideia sobre algo, para em seguida coloca-la entre parênteses e perceber como recebemos essa ideia… Aliás, podemos perceber como o procedimento fenomenológico se produz dialeticamente – embora esteja, aqui, me referindo a uma dialética anterior à sua consolidação formal hegeliana-marxiana…

Refiro-me a uma dialética de conjunturas de experiência, que também tange a uma dialética de formas de prospecção do mundo. Por exemplo, da dialética presente nesse jogo distopia-utopia, tão similar àquela presente na forma ansiedade-riso.

Acho interessante como essas visões distópicas se aproximam de certo humor, de certo imaginário de consolação, que se faz presente nos memes e nas falas espirituosas de algumas pessoas. Talvez essa proximidade reproduza a umbilicalidade entre a angústia e o seu quase-riso: o riso nervoso diante do trágico, o riso-que-não-ri. O que lembra, por sinal, o que disse Nell, personagem da peça Fin de Partie, de Samuel Beckett: “Rien n’est plus drôle que le malheur” (Nada é mais engraçado do que a infelicidade).

O riso-que-não-si é um reconhecimento da própria, ou da comum, vulnerabilidade.

As distopias enunciam, no máximo, a vulnerabilidade. Tateiam-na, transmutam-a, trespassam-a… O medo, em si mesmo, é uma fenomenologia da vulnerabilidade.

Como disse Judith Buttler em obra referida em post anterior, a pandemia expõe uma vulnerabilidade global pois, mais do que a vulnerabilidade individual, coloca em jogo “o caráter poroso e interdependente de nossas vidas corporais e sociais”.Por sinal, creio que não haja distopia de si mesmo, apenas a distopia do coletivo – o que evidencia o imaginário do medo diante da ameaça do coletivo, da sociedade e/ou da espécie.

Fenomenologia da pandemia 7: Os ek-stases da temporalidade quotidiana

Por Fábio Fonseca de Castro, doutor em sociologia, professor do PPGDSTU-NAEA, Ppgcom e Facom, UFPA.

Mais uma palavra, a desenvolver o post anterior, a respeito da temporalidade projetiva do ser em relação à morte – sua e dos outros.

Tecnicamente, seguindo o pensamento de Heidegger, diríamos que, tal como o Dasein, a temporalidade originária é ek-sistante, ou melhor, projetiva. Isso significa que o tempo não se contem em uma só stasis – uma só temporalidade, mas permanentemente e necessariamente, se projeta por meio de novas temporalizações.

Blanquet, um dos intérpretes de Heidegger que mais acompanho, o diz da seguinte forma: “La temporalité se comprend comme une temporalisation de soi au monde” (p. 114) – (a tempoiralidade se compreende como uma temporalização de si ao mundo).

É, precisamente, o que Heidegger chama de transporte ek-statico – a projeçıao de uma temporalidade em outra. A temporalizacão é a condição de tornar presente uma coisa, alguém, algo, um lugar.

Eis aqui uma tese pronta para derrubar o senso comum – e, para derrubar, também, as hipóteses de trabalho de alguns pesquisadores – de que a memória é uma caixa preta na qual lembranças e ideias são, simplesmente, estocadas.

Para Heidegger é mais que isso. Com ele, percebemos que que cada ekstase temporal refere a alguma coisa em torno de alguma circunstância presente, forçando a alguma abertura mundana e que permita a continuidade da minha vivência presente. É central, em Heidegger, a ideia de que o tempo é, simplesmente, um continuum circunstancial à vivência.

E é daí que, se nós, na experiência pandêmica, temporalizamos a morte, aproximando-a, tornando-a irremissível, embora não irreversível (e isto se deve, igualmente, a outras ek-stais temporais projetivas), é porque ela, em função da pandemia, se tornou um continuum circunstancial à nossa vivência.

Uma nota não conclusiva: cabe notar, nesse processo, que esse tipo de experiência, associada à retemporalização imediata da finitude do ser, produz, sobretudo, aquilo a que Heidegger denomina de retorno do tempo originário, a experiência temporal que tem seu fundamento no próprio ser-para-a-morte – aqui pensado como uma categoria maior e fundadora do Dasein, do ser-aí, e não somente como experiência temporal projetiva, considerando que é diante da finitude que o ser inicia seu caminho existencial (dizendo heideggerianamente: é no confronto com a morte que o ser começa a se tornar um ser qualquer).

Fenomenologia da pandemia 6: Vivência da finitude

Por Fábio Fonseca de Castro, doutor em sociologia, professor do PPGDSTU-NAEA, Ppgcom e Facom, UFPA.

A pandemia é uma vivência da finitude: o convívio com a morte potencial – a morte interna – por um lado e com a morte ao redor – a morte externa – constitui uma experiência nova, por meio da qual a potência de morrer, plena de novos poderes, se torna próxima.

Interessante perceber, no entanto, essa dupla projeção, por meio da qual a “nova experiência da morte” se dá: na morte interna, referente ao próprio ser biológico e mental, ela se projeta como um estado de permanente receio da contaminação, e, na morte externa, referente à experiência empática, ela se projeta por meio das ideias de face e de volume. De face, quando projeta a finitude do outro, conhecido ou não, próximo ou distante. De volume que, ao se expandir, tende a alcançar mais pessoas, próximas ou distantes, com ou sem face.

Esse movimento constitui, na verdade, aquilo que Heidegger considera como o próprio fundamento do existir: a projeção do ser em direção à morte. Heidegger afirma que o ser humano é, fundamentalmente, um ser-para-a-morte. Isso significa que a ideia de finitude se faz presente em outras temporalizações – em outras projeções sensórias da experiência temporal – do indivíduo.

Para Heidegger, o ser humano não habita numa dada temporalidade exclusivamente. Por exemplo, ele não vive num determinado “presente” de maneira plena e exclusiva. Ele vive num dado presente mediado e mediando outras experiências temporais, estejam elas no passado ou no futuro. E uma dessas experiências temporais mais importantes, e mesmo determinante de todo presente, é a que se refere à finitude.

A finitude do ser está sempre presente no ser, mas a experiência da pandemia a torna mais, muito mais, incisiva.

É por meio dessa temporalidade imiscuída na vivência – no presente, no mundo-da-vida – que a morte deixa de ser um acidente, uma imperfeição, para se tornar um dos próprios fundamentos da existência. Considerar essa hipótese permitiria, dentre outras coisas, naturalizar a morte e perceber que ela não é antípoda à ideia de existir plenamente e com tranquilidade, mas, naturalmente, nossa experiência cultural produz a morte como um sentido paradoxal em relação à existência. E essa experiência cultural se intensifica com a pandemia.

Observação circunstancial:

Ao menos para uma pessoa normal, provida de preocupação, responsabilidade e empatia.

É claro que não estou me referindo à temporalidade necropolítica do governo Bolsonaro, de parte importante das elites brasileiras e de muitos brasileiros, colonizados pelos parcos debates e informativos trespassados pela mídia. Para estes, igualmente, há uma temporalidade projetiva dentro do seu presente, mas ela se refere a um futuro “limpo” dos seres humanos insignificantes que somos nós.

 

Impactos da Covid-19 sobre os processos comunicacionais – Conclusão

Por Fábio Fonseca de Castro, doutor em sociologia, professor do PPGDSTU-NAEA, Ppgcom e Facom, UFPA.

Concluo hoje a série de posts que reproduzem o artigo, abaixo referido, publicado nos Papers do NAEA.

CONCLUSÃO

No percurso destas notas buscamos mapear alguns dos efeitos sociais relacionados às diversas dimensões e práticas do campo da comunicação associados à presente experiência pandêmica. Nossa perspectiva é de que experimentamos um processo de tecnologização da vida social ainda sem precedentes, amplifiado pelas imposições do isolamento social e pelas próprias dinâmicas de saúde pública associadas à condição pandêmica e que esse processo permite perceber a dimensão nodal das formas e práticas de comunicação como a própria base de articulação de toda sociação (SIMMEL, 1996).

Acreditamos que a experiência social do risco demanda um esforço de aglutinação social e que os processos comunicativos, quaisquer que sejam, em toda a sua variedade, constituem a própria base de possibilidade desse esforço de aglutinação. Assim, podemos observar essa centralidade da comunicação nos mais diversos processos sociais dinamizados pela pandemia. Com efeito, é possível reconhecer, nessa perspectiva, a metáfora de comunicação como uma espécie de liga bioquímica, ou proteica, elaborada por Luhmman :

A comunicação surge como a esperança de encontrar para o social um equivalente à operação bioquímica que aconteceu com as proteínas. Ou seja, a esperança de identificar o tipo de operador que torna possível todos os sistemas de comunicação, por mais coplesxo que tenham se tornado no curso da evolução: interações, organizações, sociedades (LUHMANN, 1996, p. 68).

Luhmman, como se sabe, pensa a comunicação como a própria base sobre a qual se constitui a vida social,

Tudo o que existe e que se pode designar como social consta, desde o ponto de vista de uma construção teórica que se fundamenta na operação, de um mesmo impulso e um mesmo tipo de acontecimento: a comunicação (LUHMANN, 1996, p. 68).

Como se sabe, a teoria social desenvolvida por Luhmann se fundamenta na noção de sistema, mas diferentemente de toda a tradição teórica desenvolvida pelas ciências sociais, Luhmann compreende que os diferentes sistemas – orgânicos, psíquicos e sociais – são autorreferentes e o são, justamente, na medida em que têm, na comunicação, o dispositivo fundamental da sua dinâmica evolutiva (ESTEVES, 2001).

Na mesma direção de Pissarra Esteves (2001) afirmam Rodrigues e Neves, a propósito dessa

comunicação é a operação própria dos sistemas sociais. É uma operação puramente social porque pressupõe o envolvimento de vários sistemas psíquicos sem que se possa atribuí-la exclusivamente a um outro desses sistemas psíquicos sem que se possa atribuí-la exclusivamente a um outro desses sistemas: não pode haver comunicação individual (RODRIGUES; NEVES, 2017, p. 115).

Na situação de risco social extremo, como a produzida pela pandemia de Covid-19, os diversos sistemas sociais necessitam reorganizarem-se para atender às novas e urgentes necessidades sociais interpostas, e então nada mais natural que recorrerem ao sistema que melhor permite a circulação do fluxo de informações, ideias e percepções.

Nesse contexto cabe perceber, antes de tudo, os riscos sistêmicos que envolvem os processos comunicacionais. Numa sociedade que intensifica suas sociações a partir de uma situação de risco tende a ser plausível, talvez mesmo natural, que o controle do próprio sistema comunicacional se torne restrito: para dar eficácia ao sistema, o controle sistêmico é, costumeiramente, a solução clássica, o que não raramente leva a situações de exacerbação do contrle, inclusive após o controle da situação de risco.

Levando em conta os processos de vigilância impostos por alguns Estados durante a epidemia, Doneda (2020), por exemplo, alerta para o risco da consolidação de um “estado de vigilância crônica”. Essa preocupação está relacionada à potencialidade sistêmica da pandemia oferecer um cheque em branco para o abuso de direitos e de, assim, contribuir para a consolidação de um estado de vigilância baseado no controle informacional de dados.

Kitchin (2020, citado por Lemos 2020) discute um processo – ao qual chama de covidwashing – de “branqueamento”, “lavagem”, do uso espúrio das tecnologias de dados, para refletir sobre como o uso indiscriminado de tecnologias, justificado pelo esforço de combate à pandemia, tende a legitimar e naturalizar o capitalismo de vigilância e, assim, a estabelecer novas possibilidades de exploração invasiva de dados pessoais em prol do lucro (LEMOS, 2020).

Outro processo paralelo, igualmente sistêmico, é aquilo a que podemos chamar de midiatização escópica, a vigilância privada de indivíduos, realizada por meio de estratégias de vigilância centradas na sistematização de big data e na apuração de rastros digitais, um processo de governança algorítmica, somente possível em sociedades datificadas.

Porém, acima de todos esses processos, é preciso considerar a exclusão digital, igualmente um elemento que desponta na pandemia. A começar pelas dezenas de milhares de pessoas que não têm acesso ao simples cadastro de dados para aceder ao benefício de RS 600,00 disposto pelo Governo Federal durante a pandemia aos mais vulneráveis, a qual só poderia ser feita por meio de aparelho de telefonia celular.

Também esses riscos sistêmicos constituem um protocolo, uma agenda de pesquisa. A sociedade que emergirá da experiência da Covid-19 certamente passa a ter, nas diversas formas processuais da comunicação, a sua face mais imediata, com suas benesses e riscos. Queremos acreditar que o conjunto de elementos aqui reunidos pode contribuir em duas situações: pensar o papel das formas de comunicação nas (prováveis) situações pandêmicas futuras e o papel das formas de comunicação nos pós-pandemia.

Pouca certeza há a respeito do desdobramento de todos esses processos, mas algo nos parece evidente: a comunicação, com todas as suas formas e seus dispositivos tecnológicos, se apresenta como um enjeux maior, central, da vida social que se forma nos contextos pandêmico e pós-pandêmico.

Paper do NAEA 2020, Volume 29, No 1 (Dossiê Crise e Pandemia) ISSN 15169111

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

ARCHEGAS, João Victor. Estado de emergência digital: regulando fake news durante a pandemia: In: CASTELLO BRANCO, Ana Paula. Conectando o Mercado: Ana Paula Castello, diretora de branding da TIM. In: Meio e Mensagem (canal Youtube) diretora de branding da TIM, em entrevista realizada a 22/04/2020. Disponível em: https://www.youtube.com/ watch?v=ttoH9JhjWb0. Consultado a 18/05/2020.

DONEDA, D. A proteção de dados em tempos de coronavírus. JOTA, 25 de março de 2020. ESTEVES, João Pisarra. Apresentação ao livro de LUHMANN, Niklas – A improbabilidade daComunicação – Lisboa: Vega-Passagens, 1992, pp.5-36.

FOLHA DE SÃO PAULO. Editoria Mundo, 5 de abril de 2020.

HABOWSKI, Adilson Cristiano, CONTE, Elaine: JACOBI, Daniel Felipe. Interlocuções e discursos de legitimação em EaD. Ensaio: aval. pol. públ. Educ., Rio de Janeiro, v.28, n.106, p. 178-197, jan./mar. 2020

HAYASHI, Carmino. Análise sobre as Políticas Públicas na Educação a Distância no Brasil. In: Research, Society and Development, v. 9, n.1, e87911667, 2020.

LEMOS, André; MARQUES, Daniel. Vigilância Guiada por Dados, Privacidade e Covid-19. In: Ensaios / In Vitro: Dossiê Covid-19. Disponível em: http://www.lab404.ufba.br/vigilancia- guiada-por-dados-privacidade-e-covid-19/. Consultado em 20/05/2020.

LUHMANN, Niklas. La ciencia de la sociedad. México/Barcelona, Universidad Iberoamericana / Herder: 1996.

KITCHIN, R. Using digital technologies to tackle the spread of the coronavirus: Panacea or folly? Programmable City Working Paper 44, 2020.

PNAD. Pesquisa por Amostra Domiciliar Contínua. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Brasília: IBGE, 2017. Disponível em: https://www.ibge.gov.br/estatisticas/sociais/trabalho/9171- pesquisa-nacional-por-amostra-de-domicilios-continua-mensal.html?=&t=quadro-sintetico. Consultado em: 18/05/2020.

PIMENTA JUNIOR, José Luiz Barbosa. O Congresso Nacional, o veto presidencial e a telemedicina. In: JOTA, 2020.

RODRIGUES, Léo Peixoto; NEVES, Fabrício Monteiro. A sociologia de Niklas Luhmman. Petrópolis: Vozes, 2017.

SANTOS, Catarina de Almeida; PELLANDA, Andressa (orgs.) Guia Covid-19: Educação à distância. Brasília: Campanha Nacional pelo Direito à Educação, 2020.

SIMMEL, Georg. Sociabilidade: um exemplo de sociologia pura ou formal. In: Georg Simmel: sociologia. São Paulo, Ática, org. [da coletânea] Evaristo de Morais Filho, 1983.

SRNICEK, N. Platform capitalism. John Wiley & Sons, 2017.

SPOTIF. Q1 2020. Spotify. Estocolmo: Spotity AB, 2020. Disponível em: https://s22.q4cdn. com/540910603/files/doc_financials/2020/q1/Shareholder-Letter-Q1-2020-Final.pdf. Consultado em: 13 de maio de 2020.

TWITTER. Letter to Shareholders. São Francisco: Twitter, 2020. Disponível em: https:// s22.q4cdn.com/826641620/files/doc_financials/2020/q1/Q1-2020-Shareholder-Letter.pdf. Consultado em: 13 de maio de 2020.

WPP. Brasil Covidi-19. Inteligência e insights (relatório). São Paulo: WPP Group. Disponívem em: https://iabbrasil.com.br/wp-content/uploads/2020/04/WPPi_Covid19_Report_20200327. pdf. Consultado em: 18/05/2020.

ZUBOFF, S. Big other: Surveillance capitalism and the prospects of an information civilization. Journal of Information Technology, v. 30, n. 1, p. 75–89, 2015.

Artigo completo publicado na revistas Papers do NAEA 2020, Volume 29, No 1 (Dossiê Crise e Pandemia) ISSN 15169111. Disponível em: https://periodicos.ufpa.br/index.php/pnaea/article/view/8799