A dimensão midiática da comunicação na crise pandêmica

Por Fábio Fonseca de Castro, doutor em sociologia, professor do PPGDSTU-NAEA, Ppgcom e Facom, UFPA.

Num cenário marcado pelo isolamento social percebe-se que o ambiente digital se consolida como a estrutura midiática fundamental, agilizando um processo que já estava em curso de superação de outras estruturas midiáticas, como a TV aberta, o jornal impresso, o rádio e o cinema. Nesse cenário, percebe-se uma série de transformações nos usos que a sociedade faz das suas mídias.

Um primeiro aspecto a considerar, necessariamente, é o crescimento e a intensificação do uso de redes sociais durante a pandemia – naturalmente pela parcela da população que realiza, com melhores condições, o confinamento. Ao menos duas redes sociais, Twitter (TWITTER, 2020) e Spotify (SPOTIFY, 2020), divulgaram relatórios financeiros que indicam crescimentos exponenciais desde o início da pandemia – da ordem de 24% para a primeira e de 31% para a segunda.

Culturalmente, a telefonia móvel e a internet, de um modo geral, e as redes sociais, especificamente – embora cada uma delas com suas próprias especificidades – constituem o principal instrumento de interação social e de informação para as pessoas em confinamento.

Essa dinâmica tende a produzir efeitos econômicos importantes no setor do entretenimento midiático, notadamente nas empresas que operam com o fornecimento de conteúdo em sistema de streaming ou download, como as plataformas de conteúdos – Youtube, Vimeo, DailyMotion, Metacafe, Veoh, Flick, Vevo, Twitch, VIDLii, etc – as plataformas de filmes – Netflix, Essa MP fora editada pelo presidente Jair Bolsonaro em 17 de abril de 2020 e permitia que o IBGE obtivesse, junto às operadoras de telefonia fixa e móvel, aos nomes, dados sobre números de telefone e endereços dos brasileiros, tanto pessoas físicas como jurídicas.

PrimeVideo, Telecine, Looke, Crackle, Filos, HBO Go, etc – as plataformas de videogames – OBS, Twich TV, Mixer, Facebook Games, Youtubegaming, etc – e as plataformas de pornografia – Pornhub, Xvideos, SexHot, PornTime, etc.

Cabe notar, ainda, certa tendência econômica apenas iniciada, mas que pode indicar transformações futuras importantes: o fato de que diversas plataformas de conteúdo pago – ou seja, com dispositivos de paywall – notadamente as plataformas de exibição de filmes e os veículos de imprensa, abrirem acesso gratuito, total ou parcial, aos seus conteúdos. O pretexto para essa abertura normalmente é ético e justificado por uma perspectiva de solidariedade, mas a dimensão econômica se torna evidente, na medida em que o confinamento massivo das classes médias produziu uma maior demanda por conteúdos de entretenimento, estabelecendo um novo patamar de concorrência entre as empresas e a consequente adoção de estratégias de visibilidade.

No diâmetro oposto estão as salas de exibição cinematográfica, uma cultura midiática que, tal como o jornalismo impresso e a indústria fonográfica, vem sofrendo transformações significativas nos últimos anos. Ainda que a maioria das salas de exibição pertença, atualmente, a grandes conglomerados do setor, como Moviecom, Cinesystem, Cinépolis, Cinepex, etc, pode-se supor alguma mudança, no “retorno à normalidade”, justamente em função do avanço da cultura do cinema em domicílio, por meio das plataformas de conteúdo e das novas formas proxêmicas de partilha do espaço.

No setor do entretenimento televisivo – completamente digitalizado, na contemporaneidade – percebeu-se, também, uma redução significativa da produção de conteúdo. Em todo o planeta as emissoras cancelaram suas produções não-jornalísticas para atender à necessidade de isolamento social. No Brasil, a face mais perceptível desse processo foi a interrupção na gravação de telenovelas, mas seus impactos são mais amplos: igualmente programas de auditório, reality shows, programas infantis, debates e documentários tiveram sua produção suspensa ou passaram a ser gravados sem a plateia.

Outra transformação que parece reforçar uma tendência já em curso é a cultura dos podcasts, os programas de áudio que atualizam o formato do rádio, permitindo que sejam acompanhados em trânsito ou enquanto o indivíduo desenvolve outras tarefas.

Em relação ao mercado e à cultura da publicidade, propaganda e marketing, os efeitos, aparentemente, dizem respeito a uma dimensão de volume e fluxo. Em alguns setores, como a publicidade em outdoor, empenas e busdoors tende-se a perceber uma diminuição do volume. Do mesmo modo a estratégia de patrocínio de eventos esportivos e culturais. Porém, por outro lado, os anúncios microdirecionados, que vinham apresentando um crescimento exponencial, tendem, com a ampliação do uso das redes sociais e da internet em geral, a se verem ampliados.

Artigo completo publicado na revistas Papers do NAEA 2020, Volume 29, No 1 (Dossiê Crise e Pandemia) ISSN 15169111. Disponível em: https://periodicos.ufpa.br/index.php/pnaea/article/view/8799


Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.