Impactos da Covid-19 sobre os processos comunicacionais – Conclusão

Por Fábio Fonseca de Castro, doutor em sociologia, professor do PPGDSTU-NAEA, Ppgcom e Facom, UFPA.

Concluo hoje a série de posts que reproduzem o artigo, abaixo referido, publicado nos Papers do NAEA.

CONCLUSÃO

No percurso destas notas buscamos mapear alguns dos efeitos sociais relacionados às diversas dimensões e práticas do campo da comunicação associados à presente experiência pandêmica. Nossa perspectiva é de que experimentamos um processo de tecnologização da vida social ainda sem precedentes, amplifiado pelas imposições do isolamento social e pelas próprias dinâmicas de saúde pública associadas à condição pandêmica e que esse processo permite perceber a dimensão nodal das formas e práticas de comunicação como a própria base de articulação de toda sociação (SIMMEL, 1996).

Acreditamos que a experiência social do risco demanda um esforço de aglutinação social e que os processos comunicativos, quaisquer que sejam, em toda a sua variedade, constituem a própria base de possibilidade desse esforço de aglutinação. Assim, podemos observar essa centralidade da comunicação nos mais diversos processos sociais dinamizados pela pandemia. Com efeito, é possível reconhecer, nessa perspectiva, a metáfora de comunicação como uma espécie de liga bioquímica, ou proteica, elaborada por Luhmman :

A comunicação surge como a esperança de encontrar para o social um equivalente à operação bioquímica que aconteceu com as proteínas. Ou seja, a esperança de identificar o tipo de operador que torna possível todos os sistemas de comunicação, por mais coplesxo que tenham se tornado no curso da evolução: interações, organizações, sociedades (LUHMANN, 1996, p. 68).

Luhmman, como se sabe, pensa a comunicação como a própria base sobre a qual se constitui a vida social,

Tudo o que existe e que se pode designar como social consta, desde o ponto de vista de uma construção teórica que se fundamenta na operação, de um mesmo impulso e um mesmo tipo de acontecimento: a comunicação (LUHMANN, 1996, p. 68).

Como se sabe, a teoria social desenvolvida por Luhmann se fundamenta na noção de sistema, mas diferentemente de toda a tradição teórica desenvolvida pelas ciências sociais, Luhmann compreende que os diferentes sistemas – orgânicos, psíquicos e sociais – são autorreferentes e o são, justamente, na medida em que têm, na comunicação, o dispositivo fundamental da sua dinâmica evolutiva (ESTEVES, 2001).

Na mesma direção de Pissarra Esteves (2001) afirmam Rodrigues e Neves, a propósito dessa

comunicação é a operação própria dos sistemas sociais. É uma operação puramente social porque pressupõe o envolvimento de vários sistemas psíquicos sem que se possa atribuí-la exclusivamente a um outro desses sistemas psíquicos sem que se possa atribuí-la exclusivamente a um outro desses sistemas: não pode haver comunicação individual (RODRIGUES; NEVES, 2017, p. 115).

Na situação de risco social extremo, como a produzida pela pandemia de Covid-19, os diversos sistemas sociais necessitam reorganizarem-se para atender às novas e urgentes necessidades sociais interpostas, e então nada mais natural que recorrerem ao sistema que melhor permite a circulação do fluxo de informações, ideias e percepções.

Nesse contexto cabe perceber, antes de tudo, os riscos sistêmicos que envolvem os processos comunicacionais. Numa sociedade que intensifica suas sociações a partir de uma situação de risco tende a ser plausível, talvez mesmo natural, que o controle do próprio sistema comunicacional se torne restrito: para dar eficácia ao sistema, o controle sistêmico é, costumeiramente, a solução clássica, o que não raramente leva a situações de exacerbação do contrle, inclusive após o controle da situação de risco.

Levando em conta os processos de vigilância impostos por alguns Estados durante a epidemia, Doneda (2020), por exemplo, alerta para o risco da consolidação de um “estado de vigilância crônica”. Essa preocupação está relacionada à potencialidade sistêmica da pandemia oferecer um cheque em branco para o abuso de direitos e de, assim, contribuir para a consolidação de um estado de vigilância baseado no controle informacional de dados.

Kitchin (2020, citado por Lemos 2020) discute um processo – ao qual chama de covidwashing – de “branqueamento”, “lavagem”, do uso espúrio das tecnologias de dados, para refletir sobre como o uso indiscriminado de tecnologias, justificado pelo esforço de combate à pandemia, tende a legitimar e naturalizar o capitalismo de vigilância e, assim, a estabelecer novas possibilidades de exploração invasiva de dados pessoais em prol do lucro (LEMOS, 2020).

Outro processo paralelo, igualmente sistêmico, é aquilo a que podemos chamar de midiatização escópica, a vigilância privada de indivíduos, realizada por meio de estratégias de vigilância centradas na sistematização de big data e na apuração de rastros digitais, um processo de governança algorítmica, somente possível em sociedades datificadas.

Porém, acima de todos esses processos, é preciso considerar a exclusão digital, igualmente um elemento que desponta na pandemia. A começar pelas dezenas de milhares de pessoas que não têm acesso ao simples cadastro de dados para aceder ao benefício de RS 600,00 disposto pelo Governo Federal durante a pandemia aos mais vulneráveis, a qual só poderia ser feita por meio de aparelho de telefonia celular.

Também esses riscos sistêmicos constituem um protocolo, uma agenda de pesquisa. A sociedade que emergirá da experiência da Covid-19 certamente passa a ter, nas diversas formas processuais da comunicação, a sua face mais imediata, com suas benesses e riscos. Queremos acreditar que o conjunto de elementos aqui reunidos pode contribuir em duas situações: pensar o papel das formas de comunicação nas (prováveis) situações pandêmicas futuras e o papel das formas de comunicação nos pós-pandemia.

Pouca certeza há a respeito do desdobramento de todos esses processos, mas algo nos parece evidente: a comunicação, com todas as suas formas e seus dispositivos tecnológicos, se apresenta como um enjeux maior, central, da vida social que se forma nos contextos pandêmico e pós-pandêmico.

Paper do NAEA 2020, Volume 29, No 1 (Dossiê Crise e Pandemia) ISSN 15169111

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

ARCHEGAS, João Victor. Estado de emergência digital: regulando fake news durante a pandemia: In: CASTELLO BRANCO, Ana Paula. Conectando o Mercado: Ana Paula Castello, diretora de branding da TIM. In: Meio e Mensagem (canal Youtube) diretora de branding da TIM, em entrevista realizada a 22/04/2020. Disponível em: https://www.youtube.com/ watch?v=ttoH9JhjWb0. Consultado a 18/05/2020.

DONEDA, D. A proteção de dados em tempos de coronavírus. JOTA, 25 de março de 2020. ESTEVES, João Pisarra. Apresentação ao livro de LUHMANN, Niklas – A improbabilidade daComunicação – Lisboa: Vega-Passagens, 1992, pp.5-36.

FOLHA DE SÃO PAULO. Editoria Mundo, 5 de abril de 2020.

HABOWSKI, Adilson Cristiano, CONTE, Elaine: JACOBI, Daniel Felipe. Interlocuções e discursos de legitimação em EaD. Ensaio: aval. pol. públ. Educ., Rio de Janeiro, v.28, n.106, p. 178-197, jan./mar. 2020

HAYASHI, Carmino. Análise sobre as Políticas Públicas na Educação a Distância no Brasil. In: Research, Society and Development, v. 9, n.1, e87911667, 2020.

LEMOS, André; MARQUES, Daniel. Vigilância Guiada por Dados, Privacidade e Covid-19. In: Ensaios / In Vitro: Dossiê Covid-19. Disponível em: http://www.lab404.ufba.br/vigilancia- guiada-por-dados-privacidade-e-covid-19/. Consultado em 20/05/2020.

LUHMANN, Niklas. La ciencia de la sociedad. México/Barcelona, Universidad Iberoamericana / Herder: 1996.

KITCHIN, R. Using digital technologies to tackle the spread of the coronavirus: Panacea or folly? Programmable City Working Paper 44, 2020.

PNAD. Pesquisa por Amostra Domiciliar Contínua. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Brasília: IBGE, 2017. Disponível em: https://www.ibge.gov.br/estatisticas/sociais/trabalho/9171- pesquisa-nacional-por-amostra-de-domicilios-continua-mensal.html?=&t=quadro-sintetico. Consultado em: 18/05/2020.

PIMENTA JUNIOR, José Luiz Barbosa. O Congresso Nacional, o veto presidencial e a telemedicina. In: JOTA, 2020.

RODRIGUES, Léo Peixoto; NEVES, Fabrício Monteiro. A sociologia de Niklas Luhmman. Petrópolis: Vozes, 2017.

SANTOS, Catarina de Almeida; PELLANDA, Andressa (orgs.) Guia Covid-19: Educação à distância. Brasília: Campanha Nacional pelo Direito à Educação, 2020.

SIMMEL, Georg. Sociabilidade: um exemplo de sociologia pura ou formal. In: Georg Simmel: sociologia. São Paulo, Ática, org. [da coletânea] Evaristo de Morais Filho, 1983.

SRNICEK, N. Platform capitalism. John Wiley & Sons, 2017.

SPOTIF. Q1 2020. Spotify. Estocolmo: Spotity AB, 2020. Disponível em: https://s22.q4cdn. com/540910603/files/doc_financials/2020/q1/Shareholder-Letter-Q1-2020-Final.pdf. Consultado em: 13 de maio de 2020.

TWITTER. Letter to Shareholders. São Francisco: Twitter, 2020. Disponível em: https:// s22.q4cdn.com/826641620/files/doc_financials/2020/q1/Q1-2020-Shareholder-Letter.pdf. Consultado em: 13 de maio de 2020.

WPP. Brasil Covidi-19. Inteligência e insights (relatório). São Paulo: WPP Group. Disponívem em: https://iabbrasil.com.br/wp-content/uploads/2020/04/WPPi_Covid19_Report_20200327. pdf. Consultado em: 18/05/2020.

ZUBOFF, S. Big other: Surveillance capitalism and the prospects of an information civilization. Journal of Information Technology, v. 30, n. 1, p. 75–89, 2015.

Artigo completo publicado na revistas Papers do NAEA 2020, Volume 29, No 1 (Dossiê Crise e Pandemia) ISSN 15169111. Disponível em: https://periodicos.ufpa.br/index.php/pnaea/article/view/8799


Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.