Etnografias da pandemia 4: Educação e pandemia

Por Marina Ramos Neves de Castro, doutora em antropologia, professora do Ppgcom e da Facom, UFPA.

Amadeu é aluno da Universidade Federal do Pará. Ele mora no distrito de Mosqueiro, cidade de Belém do Pará com seus pais, a avó materna e um casal de irmãos. A prima Vitória, embora criada com eles, hoje mora na casa dos pais, mas fora passar ali a quarentena; ”Somos como irmão, e vez por outra ela passa uma temporada aqui”, coloca Amadeu.

A família é proprietária de uma escola de nível fundamental – do maternal à 5ª série – no distrito de Mosqueiro, onde trabalham a avó, diretora da escola; a mãe, coordenadora; tias e primas, todas com formações pedagógicas. Segundo Amadeu é “uma escola familiar de pequeno porte, com valor acessível”.

Durante a pandemia todos na família, na medida do possível, procuram manter a risca a quarenta, no entanto, enquanto donos da escola, e com responsabilidades que lhe exigem respostas às questões colocadas pela quarentena, há a necessidade dos membros da família deslocarem-se à escola para resolverem questões não somente burocráticas, mas sociais, econômicas e pedagógicas. Amadeu observa que a avó faz parte do grupo de risco “e não pode estar presente na escola”, então duas de suas filhas que são coordenadoras estão à frente das questões urgentes, deslocando-se diariamente à escola.

As dificuldades advindas com a suspensão das aulas em todo o estado do Pará para esta escola, vão da manutenção da mesma e do salário dos professores e funcionários, às questões de produção do conteúdo pedagógico para o uso de novas plataformas à inadimplência – visto que, segundo Amadeu “se já tinham aqueles que já tinham o costume de não pagar, de atrasar. Agora mesmo que não estão e não vão pagar. Já estão se recusando a pagar”. A superação da inadimplência é crucial para a manutenção de todo o resto.

A questão da manutenção da escola, pagamento dos salários de seus funcionários e manutenção dos professores são questões que, segundo Amadeu está preocupando a família. O desassossego quanto a isso foi parcialmente agravado com uma proposta que, naquele momento, estava tramitando na Assembleia Legislativa do Estado, de obrigar as escolas a disponibilizarem o desconto de 30% nas mensalidades escolares enquanto durasse a pandemia. Diante disso Amadeu observa que

“Tem sentido porque a escola não está tendo muita despesa com energia elétrica, por exemplo, é um momento de solidariedade e se tem que compreender que os pais podem estar recebendo menos. Faz sentido, faz. Mas tem Escolas e Escolas, pois tem escolas que o ensino infantil é 500 reais, 700, 800, enfim, lá (na escola da família) a mensalidade, o teto é 300 reais a mensalidade, mas quase nenhum aluno paga isso. Quase todos têm um desconto. Muitos pais pagam a metade, 150 reais. Quanto mais filhos uma família tem, maior o desconto. Reduzir 30% de uma mensalidade que custa em média 250 reais, e uma equipe no total de 21 funcionários está sendo bem complicado. Fora os que eram inadimplentes. Estão torcendo para que o Helder não aprove isso. Não sancione, porque está complicado. Os pais estão exigindo. Mas ainda não foi sancionado”.

Quanto a produção e confecção do material didático, Amadeu observa a grande dificuldade dos professores em produzir vídeos, assim como de produzir aulas e material a serem disponibilizados online para dar conta da demanda do currículo escolar e, também, da demanda dos pais, que exigiam uma resposta efetiva e rápida da escola às necessidades de aprendizagem e de atividades de seus filhos. Nesse sentido Amadeu foi importante, seja na produção de vídeos com conteúdo referente a cada série escolar e a cada professor, seja na disponibilidade desse conteúdo online, instrumentalizando tanto a substância da comunicação, como a mídia necessária para que essa substância/conteúdo chegasse aos alunos. “Precisei dar uma mão porque eles não entendiam de nada, absolutamente nada. Não conseguiam fazer um vídeo, e nem postar na internet.”

Foi considerado também pela equipe da escola as crianças que não tinham acesso à internet; muitas dentre elas. A resposta da escola foi disponibilizar xerox de todas as atividades. Muitas dessas atividades tiveram que ser substancialmente incrementadas – aumentadas e diversificadas -, visto que seriam realizadas pelas crianças sem a presença do professor e com a provável participação dos pais ou de outro adulto sem a formação adequada para trabalhar aquele conteúdo com a criança. Assim, esse material foi disponibilizado na escola para que cada familiar responsável pudesse ter acesso e levá-lo para casa.

Um mês depois dessa entrevista, continuamos com as aulas suspensas em todo o Estado do Pará. Quatro meses de pandemia e quarentena e não temos, nem a nível federal nem, nível estadual e nem a nível municipal, uma política que faça face às dificuldades no campo da educação (nem da saúde, nem da economia ou qualquer outra) que possa dar respostas, qualquer que seja, às necessidade e demandas da sociedade brasileira. Seguimos à mercê, sem Estado!


Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.