Socialidades, intersubjetividades e sensibilidades sociais em tempo de pandemia

Por Fábio Fonseca de Castro, doutor em sociologia, professor do PPGDSTU-NAEA, Ppgcom e Facom, UFPA.

Estes « Cadernos do Sisa » se inauguram na conjuntura e através dela, com preocupação e compromisso com aquilo que é imediatamente contemporâneo e irridentemende quoditiano. Estamos nos mundo da vida, escrevemos nela, por meio dela e com o cuidado dela.

Nosso grupo de pesquisa tem partido da fenomenologia e das antropologias interpretativas para pensar as socialidades, sociabilidades, intersubjetividades e sensibilidades nos espaços amazônicos. Essas questões ganham novas significações e pertinências diante dos desafios colocados pela pandemia causada pela Covid-19 e pelos desafios de um confinamento massivo, difícil e mesmo impossível, para muitos. Diante desses desafios, devemos nos perguntar: o que podemos e devemos fazer? Que contribuição podemos dar para compreender nossa experiência diante do que está ocorrendo?

Partamos das questões que nos intrigam, quando nossas pesquisas se deslocam para pensar a saúde pública e a experiência contemporânea interposta pela pandemia:

  • Quais as práticas de sociabilidade possíveis em tempos de pandemia?
  • De que maneira a experiência da pandemia e, especificamente do confinamento, transformarão as formas da sociabilidade em nossas sociedades?
  • Como se produzem e reorganizam as sensibilidades diante dos enfrentamentos produzidos pela pandemia?
  • Como a pandemia transforma o mundo da vida, o quotidiano, o cuidado de si e dos outros? Que formas de intersubjetividade virão da sua experiência social? Que futuros sensíveis e insensíveis serão produzidos a partir da sua experiência?
  • Quais as formas do Estado e da política em épocas de pandeia? Que sensibilidades e “insensibilidades” se produzem? Quais as imagens possíveis para o Estado-protetor e para a necropolítica?
  • Quais as lógicas argumentativas que justificam o Estado-mínimo, o Estado-responsável, o Estado, as escolhas políticas e econômicas e as políticas públicas?
  • O que perdura, intersubjetivamente, do (repentinamente) “velho mundo” na sociedade doente e nas suas expectativas de futuro?
  • Que temporalidades projetam a existência, o medo, a morte, o afeto, a solidariedade em tempos de pandemia?
  • Qual o papel das tecnologias informacionais e comunicacionais num mundo pandêmico? Quais os sentidos de proximidade, conexão e distanciamento que surgem numa sociedade de risco?
  • Quais os efeitos da tecnologia sobre as formas de sociação, controle e circulação das identidades?

Estas e muitas outras perguntas surgem quando pensamos nossos trabalhos, compromissos e responsabilidades diante da situação presente.

Num tempo em que a ciência e a solidariedade são ameaçadas pelo binarismo, pelo terraplanismo e pelo autoristarismo de um projeto político conservador, excludente e intolerante, as ciências sociais também precisam estar a postos para ajudar a entender o que está se passando.

Num tempo em que as ciências da saúde convertem suas pesquisas na busca pragmática por medidas de contenção e superação da pandemia e num tempo em que as indústrias precisam se “reconverter” para atender às novas necessidades da sociedade, porque não devemos fazer o mesmo com nossas de pesquisas no campo das ciências sociais?


Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.