E o Hangar?

Por: Vitória Mendes, mestra em Planejamento do Desenvolvimento pelo Programa de Pós-Graduação em Desenvolvimento Sustentável do Trópico Úmido do Núcleo de Altos Estudos Amazônicos (NAEA-UFPA), pesquisadora do Sisa.

“Todos nós temos duas cabeças e duas memórias. Uma cabeça de barro, que será pó, e outra invulnerável para sempre às mordidas do tempo e da paixão. Uma memória que a morte mata, bússola que acaba com a viagem, e outra memória, a memória coletiva, que viverá enquanto viver a aventura humana no mundo.” (Eduardo Galeano. 1760, Bahia: Tua outra cabeça, tua outra memória).

Há, no entanto, uma dimensão política que garante que a memória coletiva sobreviva e seja invulnerável às mordidas do tempo. Há quem decida de que forma a memória coletiva será “preservada” e infelizmente os vencedores têm sido mais eficazes em fazer com que o nosso imaginário coletivo celebre coisas como a colonização, o progresso, o desenvolvimento… Eu não pretendo escrever aqui um ensaio muito elaborado sobre o tema a partir das perspectivas teóricas, mas pensei em compartilhar uma reflexão baseada em nossa reunião mais recente do grupo de pesquisa.

Nós conversávamos sobre o Museu de Bacurau e como aquele espaço físico retratado no filme foi o epicentro da resistência dos moradores na hora do conflito mais sangrento daquele povoado. Isso nos levou a pensar sobre o Hangar, o centro de convenções de Belém que hoje é um hospital de campanha e recebe os pacientes em estado grave da Covid. 

Fiquei especulando sobre o quanto seria estranho voltar a frequentar shows, congressos e feiras nesse lugar. Como voltar a frequenta-lo da mesma forma que fazíamos antes, sabendo que esse mesmo espaço testemunhou de forma tão significativa as dores da pandemia? 

É necessário que não seja esquecido que em lugares como esse centro de convenções perdemos muitas vidas e salvamos outras. Que profissionais da saúde enfrentaram sobrecarga de trabalho, familiares receberam notícias ruins, muita gente morreu. 

Penso que a população de Belém precisa se organizar para que, ao menos uma parte do Hangar seja transformada em um memorial. Um espaço de lembrança dos tantos que se foram, de respeito aos profissionais que estiveram na linha de frente do combate à doença e, sobretudo, de registro histórico da situação política de um país sob um governo genocida.

Gerações futuras precisam saber que a pandemia foi agravada pelo projeto político genocida de Bolsonaro, que não deveríamos ter chegado a2021 sob uma segunda onda de contágio tão letal. É preciso que deixemos registros vivos do pânico e horror que vivenciamos por todo o Brasil e acredito que o Hangar seja o que melhor representa isso em Belém. 

Precisamos elaborar o luto coletivo num país onde mais de 200 mil pessoas morreram. Essa elaboração do luto, lenta e dolorida, não pode ser negligenciada socialmente e deve partir da sociedade civil, pois se dependermos apenas das autoridades para liderar esse processo, correremos um sério risco de continuarmos celebrando a violência e a pulsão de morte. Espaços físicos de memória coletiva cumprem um papel fundamental para os processos de cura, ajudam a lembrar da dor e a restituir, ainda que de forma incompleta, os injustiçados. E podem ser como o museu de Bacurau, um lugar de resistência política.

Porque levantar, sacudir a poeira, virar a página e fingir que esse capítulo tão tenebroso ficou pra trás será a nossa ruína. 


Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.