Fenomenologia da pandemia 9: A reflexividade do tempo longo

Por Fábio Fonseca de Castro, doutor em sociologia, pesquisador do Sisa.

A pandemia, seja por meio da ansiedade diante da tragédia em curso, seja por meio do confinamento, favorece uma certa autoreflexividade que tateia a lonjura do tempo. Um autorreflexividade temporal centrada num misto de medo e tédio. Sim, nem sempre o medo resulta em pânico: há formas longas de medo, formas do medo mediadas pela quotidianidade, pela duração, pelo impasse.

A humanidade sempre teve medos de longa duração. Medos atávicos e cíclicos, que se renovam periodicamente, como o medo na noite e do escurecer; o medo do frio dos lugares frios; o medo da chuva, nos lugares mais úmidos; o medo das chagas, nas cidades portuárias, durante o verão; o medo das pragas que precede cada colheita…

Todas essas experiências são formas sociais do medo que se apresentam como exponenciais, potenciais e que, nesse sentido, não caminham ao lado do daquela outra forma social do medo, relacionada ao evento, ao fato, ao enfrentamento da situação.

Na pandemia, nós alteramos essas duas formas sociais do medo: numa hora, ele tem iminência, e em outra, tem preeminência. Numa hora é imediato e, na outra, potencial.

Certo, para muitos não há medo – ou, ao menos, a vontade política de afirmar não haver medo. Mas isso não oblitera a constante inconstância do medo, seja numa de suas formas sociais, seja na outra.

No medo imediato, o tempo acelera, encurta, fica perto, beira o pânico.

No medo potencial, o tempo desacelera, alonga, fica longe, beira o tédio.

Pensando aqui nessa última forma social do medo, penso nas suas virtudes. Quando o tempo é mediado pelo tédio ganha potencial reflexivo. É o velho “pensar na vida que passa”… Pensar na finitude… E como há muito a comparar – visto os medos acima referidos – há coisas a dizer.

Primeiramente, penso no que Françoise Dastur falou a respeito da reflexividade produzida como efeito da pandemia: “Ce que nous sommes tous en train de vivre en ce moment devrait nous inciter à devenir vraiment ce que nous sommes : des mortels”

Ou seja, o medo potencial, lento, longo, angustiante, diante do que está nos cercando – com sua permissível reflexividade.

Dastur fala, também, a respeito da função do tédio na produção da temporalidade. Sugere que o tédio (l’ennui) pode permitir perceber o “verdadeiro” presente,

“Ceci permettrait de retrouver une autre temporalité et de vivre véritablement au présent. Car le présent n’est pas seulement cette limite évanescente entre ce qui n’est plus et ce qui n’est pas encore, mais cette dimension essentielle qui retient en elle tout le passé et anticipe tout l’avenir”. Françoise Dastur

Ou seja,

Estamos aqui na dualidade do presente extático e do presente não-extático, colocado por Heidegger e, evidentemente, na dualidade entre o presente vivo e o presente morto, mencionada por Husserl.

O presente não-extático e seu análogo presente-vivo são esforços de impermanência.


Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.