O que queremos fazer aqui

Por Marina Ramos Neves de Castro, doutora em antropologia, professora do Ppgcom e da Facom, UFPA.

Um dos nossos objetivos é compreender como ocorrem os processos de interação em épocas de Covid-19. Compreender como as interações estão se produzindo com quem pode – por que estar em confinamento em uma sociedade desigual e hierarquizada, é um estado de poder – estar confinado. Como esses processos de interação – inerentes ao estar do homem – estão se produzindo? Através de que meios e maneiras, formas e conteúdos (SIMMEL), estamos interagindo? Que formas de socialidades e sociabilidades estamos produzindo? Quais são os conteúdos produzidos e, consequentemente, as formas sociais que estamos gerando?

Em tempos de corona vírus, que tipo de sociações – socialidades e sociabilidades – estamos gerando, mais especificamente, quais são as formas sociais geradas na periferia do capitalismo selvagem por aqueles que sofrem às margens e nas margens desse capitalismo. Ou seja, àqueles que estão exclusos, que estão fora do sistema de participação dos benefícios desse tipo de sistema; um sistema que beneficia, que dá a quem muito tem, e que deixa quem não tem mais desprovido e exposto às consequências do vírus.

Como se tem produzido a morte nas redes sociais? Quais as forma sociais geradas a partir da morte em tempos de Covid-19? Quais as construções do sentir-se com, do sentir-se bem, dos sentimentos de felicidades, das construções de sentido para a existência?

São tantas e diversas as construções dessas formas sociais que, acreditamos, hora produzidas, para uma análise desse organismo que aprendemos e queremos conhecer, a sociedade em que vivemos e que nos conforma. Assim, nosso objetivo é colocar essas formas sociais que emergem em tempos de pandemia em evidência, para que possamos, quando possível, gerar vacinas (informação e pensamento crítico), quiçá, contra os males desse corpo social – preconceito, discriminação, racismo, xenofobia, ódio de classe, etc. Pensamos que somente colocando nosso corpo social em evidência é que podemos tentar compreendê-lo e, assim, interpretá-lo para que possamos propor encaminhamentos que possam gerar os meios democráticos para o conflito benéfico de superação providos por esse mesmo sistema que, ao negar o confinamento à uns, promove a sua exclusão pela exposição ao vírus e aos males que surgem a partir deles, como a fome, a perda do emprego, a vulnerabilidade social, psicológica, física, familiar e de qualquer outra ordem. Males, dores, processos de psicopatia, pensamos, possam ser compreendidos através dessas formas que hoje construímos. Veremos. Assim esse espaço se coloca aberto a essas questões, a trocas que possam, em um futuro próximo, subsidiar nossas reflexões sobre esse tempo de pandemia.


Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.