Fenomenologia da pandemia 2: Desexperienciar a carne do mundo

Por Fábio Fonseca de Castro, doutor em sociologia, professor do PPGDSTU-NAEA, Ppgcom e Facom, UFPA.

Com Husserl, perfaço uma fenomenologia do isolamento. Olhando para a cidade vazia, procuro experiência-la pelos dois modos de ser do meu corpo: como Körper, o corpo objetivo e material, o corpo descritível, e como Leib, o corpo-ventre, o corpo perceptivo. Com meu corpo objetivo sinto a falta do mundo e dos outros. Com meu corpo perceptivo vejo-me sentindo a falta do mundo e imagino de que maneira o mundo falta aos outros.

Na fenomenologia de Merleau-Ponty Leib toma o nome da chair, carne, havendo a fazer a distinção, por proximidade, entre a carne do mundo – a carne que experimento estando, tocando, sendo no mundo – e a carne que é minha e que experimento quando percebo como meu corpo está, toca, é no mundo.

Para Husserl e para Merleau-Ponty, o Leib transcende o Körper. É na experiência de transcendência da própria carne que percebemos a experiência de transcendência do corpo pela carne experimentada pelos outros. É por meio da minha experiência de isolamento, de estar-fora-do-mundo, que eu posso compreender a experiência semelhante vivenciada pelo outro.

É também por meio de minha experiência de não sentir proximidade que eu posso pressentir o incômodo de não sentir proximidade experienciado pelo outro.

Paradoxalmente é, ainda, por meio da percepção da experiência do outro de sentir fome, solidão ou medo que eu, mesmo não sentindo nem fome, nem solidão e nem medo, posso saber o que é sentir fome, solidão ou medo.

Porém, o isolamento produz mais corpo do que carne, mais corpo do que mundo. E isso se traduz por meio da experiência, transcendental, de estar longe, de estar apartado.

Coisas acontecem quando os corpos estão distantes. A maioria de nós nunca teve a experiência de estar apartado, isolado, do mundo. De não-ser e nem a de não-estar no mundo. Do que me perguntar: Quando poderei estar, tocar, pegar, de novo?

Acabamos por ter a experiência de imaginar, nestes tempos, o que significaria não ter mais, nunca mais, o direito ao Leib, o direito ao experimentar a carne do mundo, o direito ao fenômeno.

Não sei dizer até quando um corpo sem carne, um mundo que vejo e não posso tocar, pode continuar sendo um mundo.

De outra forma dizendo: em restando no mundo o Körper, porém isolado, ainda se faz possível o Leib? O teletrabalho, as redes sociais, as videoconferências, a virtualidade não resta possível, não garante a extensão da carne.

O mundo virtual não reproduz a carne do mundo. O mundo virtual até pode reproduzir o ser, mas não permite o existir.

Texto publicado, primeiramente, no blog Confinaria, coletivo de antropólogos escrevendo em muitas mãos uma etnografia da experiência de confinamento. Ver em: https://confinaria.hypotheses.org/472


Um comentário em “Fenomenologia da pandemia 2: Desexperienciar a carne do mundo”

  1. Recentemente ouvi uma fala da presidente da Associação de Comunidades Quilombolas do Brasil. Ela enfatizou um ponto que converge com as definições de körpa e leib ao afirmar que estava preocupada com o isolamento provocado pela COVID-19 junto as comunidades quilombolas no país, pois uma das principais formas de resistência dessas comunidades é a sua união (física e transcendente) em torno de lideranças e tradições seculares, com efetiva aproximação, material e de percepção (körpa e leib) de todos os seus membros para as “coisas” do mundo da vida, a vida dentro e fora do quilombo. E agora? De que forma essa realidade imposta pela quarentena se impõe sobre as necessidades e lutas dos remanescente de quilombos no Brasil? Como fica a resistência moldada pela aproximação entre os membros dessas comunidades? Só o tempo dirá.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.