Etnografias da pandemia 2: Cuidado, Idade e família

Por Marina Ramos Neves de Castro, doutora em antropologia, professora do Ppgcom e da Facom, UFPA.

Mirtes tem 40 anos. Nasceu e sempre viveu em Castanhal, cidade localizada a cerca de 75Km de Belém, capital do Estado do Pará, com o tempo estimado de viagem entre as duas cidades de cerca de uma hora e meia de trajeto. A cidade possui pouco mais de 173 mil habitantes, de acordo com o último senso do IBGE. Casada, mãe de um adolescente de 16 anos.

O marido de Mirtes é funcionário da Companhia Têxtil de Castanhal – CTC, referência na cidade. A empresa já abrigou trabalhadores de várias gerações da família de Mirtes, incluindo seus tios e avós que lá trabalharam e se aposentaram pelos anos de serviço junto a esta fábrica de juta.

Mirtes mora com marido e o filho de 16 anos. Por vezes recebe a mãe para alguns dias de estadia, que, apesar de também mora em Castanhal, prefere ficar em sua casa onde mora com três de suas irmãs; ou ainda, em Belém na casa de amigos próximos, o que se fez hábito ao longo dos últimos vinte anos. Mirtes trabalha como cuidadora de uma senhora de 80 anos que mora bem em frente à sua casa. Assim, basta que ela atravesse a rua onde de sua casa para que ela alcance seu trabalho e possa dispensar os cuidados necessários a esta senhora. Ao longo do último ano a mãe de Mirtes tem, com certa frequência, dormido com a senhora, pois a mesma já não tem condições de ficar só.

Durante a pandemia, para otimizar os cuidados necessários à senhora de quem ela cuida, da mãe e das demais pessoas que dependem dela – as tias, o marido e o filho -, e manter a todos protegidos, Mirtes procurou isolar a senhora e a mãe na mesma casa, assim ela pode controlar o movimento de ambas e cuidar das duas. A responsabilidade que Mirtes tem sobre a Senhorinha – como ela a chama – é total, pois a filha desta mora já há alguns anos na Bélgica, acompanhando a mãe à distância, e vindo de tempos em tempos à Castanhal.

Desta maneira, em tempos de pandemia, somente Mirtes entra em contato com as duas, procurando evitar maiores zonas de contato entre o mundo e as duas, entre mundo e ela e entre ela e as duas. No entanto, Mirtes ainda tem o filho de 16 anos e o marido, este último segue trabalhando mesmo em tempos de pandemia. Acrescentamos a isso os cuidados que Mirtes tem para com as três tias que, durante o confinamento também estão isoladas. Todas estão na faixa de risco, além dos problemas de saúde que carregam, como a diabetes. Assim, as compras da semana de feira e supermercado, assim como de farmácia ou outra necessidade urgente, são feitas por Mirtes que procura mantê-las protegidas.

Logo de manhã cedo, quando ela chega a casa da senhora, ela tira a sandália – mesmo que ela tenha somente travessado a rua. Não recebem visitas. Já deixou claro isso. Ela também não vai na casa de ninguém, exceto para entregar as compras na casa das tias, mas evita entrar. Até o dia de hoje, 9 de maio, Mirtes tem a responsabilidade de suprir as necessidades imediatas desses três lares. Vinha, até então – observe que o lockdown foi imposto em 7 de maio pelo governo do Estado do Pará, a partir de 10 de maio quem estiver na rua sem justificativa pagará uma multa ou poderá ser preso – fazendo o supermercado uma vez por semana, ou indo à feira, o que fazia o possível para ser rápida nas compras. O que nem sempre conseguia, devido a lotação nos supermercados.

Em todas essas casas eles evitam sair até para comprar o pão, uma prática ordinária em suas vidas. Ainda assim, ela tem observado que tem gente no meio deles ainda não acreditam na pandemia. De todas as famílias que ela pode observar de mais perto, ela salienta-me que somente a dela está procurando fazer rigidamente a quarentena.

Mirtes relta que a família de uma de suas primas – funcionária de escritório de uma grande empresa nacional -, composta de 9 pessoas, ” e mesmo morando numa casa bem pequena, eles procuram seguir a quarentena rigidamente”, saindo de casa apenas aqueles que tem por obrigação o trabalho e, portanto, não podem deixar de ir. Uma imposição dos patrões.

Até o momento ela está tentando receber o benefício disponibilizado pelo governo, assim como esperando que duas de suas tias – que ainda não são aposentadas e não tem fontes de renda e a quem ela também cadastrou no sistema do governo para poderem receber o benefício disponibilizado às pessoas em vulnerabilidade -, também recebam.

O Marido, como observei, trabalha na CTC. Na atual conjuntura do Covid19, a norma para a entrada na fábrica tem sido rígida e uma série de procedimentos de proteção foram impostos na fábrica. Logo na entrada a temperatura de todos os funcionários é tirada, e, aquele que se apresenta 37ºC ou maior, imediatamente deve retornar para casa, entra em observação e é acompanhado pela CTC. Dentro da fábrica todos devem trabalhar com máscaras e distantes um dos outros; foi colocado vários lavatórios no local para que os funcionários possam, com frequência, lavarem suas mãos e braços. 

Mirtes segue, cuidado de cerca de oito pessoas, confinadas em três lares diferentes. Compreende sua responsabilidade e a dependência dessas pessoas a sua existência atual. 


Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.