Fenomenologia da crise 1: A Experiência do isolamento e a liberdade

Por Rafael Bastos Ferreira, doutorando no PPGDSTU, Programa de Pós-Graduação em Desenvolvimento Sustentável do Trópico Úmido, Núcleo de Altos Estudos Amazônico (NAEA), UFPA.


Autor: Edward Hopper.
Pintura: Morning Sun, 1952.

Edward Hopper (1882- 1967) foi um dos primeiros artistas americanos a pintar a experiência do isolamento humano na cidade moderna. Em “Morning Sun”, o autor nos mostra uma mulher que enfrenta o sol de maneira impassível e aparentemente perdida em pensamentos. Percebe-se no seu olhar uma condição de isolamento e desorientação. A parede nua e a elevação dos prédios também sugerem a desolação e a solidão da vida urbana impessoal. Em “Morning Sun”, a imagem nos conduz a um mundo percebido do ser-isolado: experiencia esta que a atualcrise tem nos provocado.

A crise da pandemia (Covid-19) acentuou a experiencia de isolamento e tem colocado a vida subjetiva de muitos em conflito, seja em detrimento da solidão, de lidar com os próprios pensamentos, seja em conviver com a própria liberdade ou com o Outro. Por que liberdade? Dizia Sartre em L’être et le néant: estamos condenados à liberdade. Ser livre nesse sentido impõe ao indivíduo uma presença a si, isto é, a liberdade não enquanto ser, mas o ser do homem que presentifica – face a face – suas escolhas.  No entanto, a experiencia do isolamento tem me mostrando – a partir de uma percepção do mundo familiar (Heimwelt) que compartilho – a instauração de uma crise da liberdade.

Porém, este conflito não decorre, tão somente, da presença do estranho (Fremd) a um mundo-da-vida (Lebenswelt), mas a partir de um Outro alheio que nos habita (conforme pontua Husserl em Cartesianische Meditationen). Seja qual for a estranheza (Fremdheit), ela sempre nos põe a dúvida, a incerteza e a interrogação. Este Outro eu impõe uma apercepção de mim e, portanto, acentuado uma experiencia do estranhamento do “consigo mesmo”: do saber lidar com os próprios juízos e escolhas.

A questão que se coloca é: não importa o que a crise da pandemia tem feito de nós, mas o que fazemos com o que ela fez de nós. Tão logo, o que a experiência do isolamento tem significado para muitos? Conviver com a (sua) própria liberdade. O isolamento tem imposto uma retirada corporal da vida cotidiana. O ir e vir como expressão de uma tal liberdade tem sido limitada devido as condições que o mundo tem enfrentado. Por vezes, o indivíduo interpreta que esta liberdade se encontra no próprio estar no mundo, junto com…, em meio a…, e tão logo, passa a compreender que a liberdade é um fenômeno da mundanidade objetiva e menos pertencente às suas vivências.

O isolamento ganha sentido de interdição da liberdade, já que para muitos o ser-assim-efetivamente só é possível na própria experiência direta com o mundo sensível. Portanto, o indivíduo ajuíza que a liberdade não é pertencente a sua subjetividade; e assim, não consegue suportar a sua própria companhia.O sentido de conviver nunca foi uma pretensão para muitos quando se trata do “consigo mesmo”. Todo o seu projeto de realização nunca requereu uma admiração própria, pois o devir está “lá” e não “aqui”. Se estamos condenados à liberdade, para muitos, o isolamento tem significado uma dura vivência: conviver com a própria liberdade.

Um Outro eu inquieta-me; ele não está lá fora. Igualmente a moça de “Morning Sun”: não é mais o sol que incomoda, ao contrário, ele ajuda a iluminar uma consciência e um rosto desnorteado, desiludido, desesperado. A casa, a cama, o quarto passam a ganhar sentido do ser- isolado. Por fim, a experiencia do isolamento tem revelado dois atos de escolha:

  1. Aqueles que não suportam o confinamento de suas casas e saem à rua como um ato de rebeldia (colando vidas em riscos).
  2. Aqueles que permanecem, porém, tem dificuldades em lidar consigo mesmo (gerando problemas psicológicos).

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.