Por que ir no shopping no meio da pandemia?

Por, Jessica Solórzano Orellana, doutoranda no PPGDSTU, Programa de Pós-Graduação em Desenvolvimento Sustentável do Trópico Úmido, Núcleo de Altos Estudos Amazônico (NAEA), UFPA.

O isolamento durante a pandemia do Covid-19 tem mostrado o óbvio: na base, o trabalho das pessoas é o que gera riqueza. As discussões sobre a inversão econômica e riscos que assume o empresário, os mecanismos de funcionamento de capitais de inversão e os jogos na bolsa de valores, os processos de importação – exportação, tudo isto cai por terra quando as pessoas não podem sair para trabalhar. Entre o emprego formal e informal tem se descoberto um tenso equilíbrio que movimenta, sobretudo, a vida das pessoas nas cidades.

Depois do trabalho, precisa-se da circulação de dinheiro e mercadorias para gerar riqueza. A volta ao trabalho segue essa lógica: voltar a produzir, voltar a circular, voltar a tentar “ser rico” ou, no mínimo, viver. No caso do Pará, além dos indicadores sanitários, isto tem sido um dos eixos da discussão sobre a pertinência do lockdown: devemos parar totalmente o comércio? Por quanto tempo? Quanto tempo pode a economia da cidade se manter assim? Essa reflexão, proposta pelos tomadores de decisões, mostra a lógica econômica na administração do Estado, porém deixa obscura outra reflexão: qual é a subjetividade que sustenta isso tudo?

Se a decisão do governo (em tensa relação entre os níveis federal, estadual e municipal) é a de terminar o lockdown e voltar à “nova normalidade” com abertura de comércios, shoppings, salão de beleza, barbearias, qual é a decisão da sociedade frente a isso? O sábado, dia 06 de junho, constatou-se a resposta em Belém do Pará: ida massiva aos shoppings e comércios, quase como se tivesse acabado a pandemia. Como se pode compreender isto?

Imagen
Comércio no centro de Belém a 06/06/2020. Fonte: redes sociais.
Imagen

Ingresso no shopping Boulevard a 06/06/2020. Fonte: redes sociais.

Zygmunt Bauman (2007) explica que, na contemporaneidade, a subjetividade não está mais ancorada somente no trabalho (não é suficiente só trabalhar) também se constrói no consumo e em demostrar o gosto e a capacidade de consumo para afirmar a identidade, isto é o fetichismo da subjetividade. Trabalhar em casa e ganhar um salário não é suficiente. A transição entre a sociedade de trabalhadores à sociedade de consumidores está instaurada e a ida massiva aos shoppings e comércio da capital paraense é uma mostra disso. Qual o objetivo de ida das pessoas ao shopping senão para afirmar sua identidade de consumidor?

Nestes termos, o lockdown não só significou parar a economia, como também a suspensão de uma das fontes de produção de subjetividade da sociedade de consumidores. Poderia se pensar que as compras por internet poderiam dar conta de manter o processo de consumo, mas o efeito na subjetividade não é comparável: “Em minha casa, frente ao computador, quem pode ver o que eu consumo?” Preciso do espelho da sociedade para afirmar minha identidade, meu lugar na sociedade. Não só de pão vive a pessoa na sociedade de consumo.

Num contexto catastrófico como vem sendo a pandemia pelo covid-19, o espaço social de acolhimento que é oferecido para as pessoas saírem da quarentena, para processar o luto coletivo, junto com o trabalho, é o consumo, do qual o shopping é um dos seus caros símbolos. Isso mostra a profunda falta de opções de outros referenciais culturais para criar subjetividade, já que, “a ‘sociedade de consumidores’, em outras palavras, representa o tipo de sociedade que promove, encoraja ou reforça a escolha de um estilo de vida e uma estratégia existencial consumistas, e rejeita todas as opções culturais alternativas”. (BAUMAN, 2007, p. 71)

É sintomático que o lockdown seja suspendido uma semana antes do dia dos namorados. Economicamente, é uma alta temporada para vendas, porém na subjetividade da sociedade de consumo tem um efeito maior: como demostrar amor no meio de toda a catástrofe que estamos vivendo? Como vivo o nefasto no momento atual? Os shoppings e o comércio em geral oferecem a opção rápida para a volta da “normalidade” na produção de subjetividades.

Imagem tomada das páginas web dos shoppings de Belém: Shopping Boulevard. Acessado em 08/06/2020.
https://scontent.fbel1-1.fna.fbcdn.net/v/t1.0-9/102964893_3317812251611424_3298571915374936477_o.png?_nc_cat=109&_nc_sid=730e14&_nc_ohc=sOzwF7jQbEgAX8f4Xja&_nc_ht=scontent.fbel1-1.fna&oh=ab0b586e95cffcd1e41cfd3adcc5a0e2&oe=5F04EF5B
Imagem tomada das páginas web dos shoppings de Belém: Shopping Pátio Belém. Acessado em 08/06/2020.

Se fala muito em perdas econômicas, com intensidade se pensa nas perdas familiares e a superação das estatísticas para dar conta do sofrimento pela morte dos seres queridos. Mas e as perdas da sociedade? O lockdown já feriu partes constitutivas da nossa subjetividade ao impor o isolamento social, impedindo atividades de estudo, esporte, lazer, etc.; as numerosas mortes, em pouco tempo, sem momento para o luto criaram uma sensação de irrealidade, de sofrimento não chorado. Sobre isso, a imposição do status quo da sociedade de consumo coloca as pessoas frente ao esquecimento sem reflexão, à possibilidade de continuar-se “realizando” como se nada tivesse acontecido, como mostram as fotos da publicidade dos shoppings.

Como sociedade, temos perdido a possibilidade do novo, de pensar outras alternativas para sobreviver à pandemia. A “nova normalidade” converte o shopping no “espaço do amor” e a rua no “espaço da doença e do controle”, reafirmando assim o fetichismo da subjetividade. Uma mostra disso é que, enquanto os shoppings de Belém tinham “aglomeração” de pessoas sem maior controle do governo, outros que participavam num ato antifascista, antirracista e pela democracia, no dia 07 de junho, foram detidos por um forte contingente policial sob o pretexto de infringir a determinação do poder público, destinada a impedir a propagação de doença contagiosa. A possível pena por esse delito: detenção, de um mês a um ano, e multa.

A partir do cenário exposto, qual é a sociedade que estamos construindo agora para o pós-pandemia?

https://amazoniareal.com.br/wp-content/uploads/2020/06/MANIFESTACAO-ANTIRRACISTA_BEL%C3%89M_PEDROSA_AMAZONIA-REAL-1-5.jpg
Fotografia do momento em que são detidas as pessoas que fizeram parte da manifestação pela democracia e antifascismo. 07/06/2020. Fonte: https://amazoniareal.com.br/ato-vidas-negras-importam-e-marcado-por-violacoes-a-jovens-da-periferia-de-belem/.

Um comentário em “Por que ir no shopping no meio da pandemia?”

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.