E o Hangar?

Por: Vitória Mendes, mestra em Planejamento do Desenvolvimento pelo Programa de Pós-Graduação em Desenvolvimento Sustentável do Trópico Úmido do Núcleo de Altos Estudos Amazônicos (NAEA-UFPA), pesquisadora do Sisa.

“Todos nós temos duas cabeças e duas memórias. Uma cabeça de barro, que será pó, e outra invulnerável para sempre às mordidas do tempo e da paixão. Uma memória que a morte mata, bússola que acaba com a viagem, e outra memória, a memória coletiva, que viverá enquanto viver a aventura humana no mundo.” (Eduardo Galeano. 1760, Bahia: Tua outra cabeça, tua outra memória).

Há, no entanto, uma dimensão política que garante que a memória coletiva sobreviva e seja invulnerável às mordidas do tempo. Há quem decida de que forma a memória coletiva será “preservada” e infelizmente os vencedores têm sido mais eficazes em fazer com que o nosso imaginário coletivo celebre coisas como a colonização, o progresso, o desenvolvimento… Eu não pretendo escrever aqui um ensaio muito elaborado sobre o tema a partir das perspectivas teóricas, mas pensei em compartilhar uma reflexão baseada em nossa reunião mais recente do grupo de pesquisa.

Nós conversávamos sobre o Museu de Bacurau e como aquele espaço físico retratado no filme foi o epicentro da resistência dos moradores na hora do conflito mais sangrento daquele povoado. Isso nos levou a pensar sobre o Hangar, o centro de convenções de Belém que hoje é um hospital de campanha e recebe os pacientes em estado grave da Covid. 

Fiquei especulando sobre o quanto seria estranho voltar a frequentar shows, congressos e feiras nesse lugar. Como voltar a frequenta-lo da mesma forma que fazíamos antes, sabendo que esse mesmo espaço testemunhou de forma tão significativa as dores da pandemia? 

É necessário que não seja esquecido que em lugares como esse centro de convenções perdemos muitas vidas e salvamos outras. Que profissionais da saúde enfrentaram sobrecarga de trabalho, familiares receberam notícias ruins, muita gente morreu. 

Penso que a população de Belém precisa se organizar para que, ao menos uma parte do Hangar seja transformada em um memorial. Um espaço de lembrança dos tantos que se foram, de respeito aos profissionais que estiveram na linha de frente do combate à doença e, sobretudo, de registro histórico da situação política de um país sob um governo genocida.

Gerações futuras precisam saber que a pandemia foi agravada pelo projeto político genocida de Bolsonaro, que não deveríamos ter chegado a2021 sob uma segunda onda de contágio tão letal. É preciso que deixemos registros vivos do pânico e horror que vivenciamos por todo o Brasil e acredito que o Hangar seja o que melhor representa isso em Belém. 

Precisamos elaborar o luto coletivo num país onde mais de 200 mil pessoas morreram. Essa elaboração do luto, lenta e dolorida, não pode ser negligenciada socialmente e deve partir da sociedade civil, pois se dependermos apenas das autoridades para liderar esse processo, correremos um sério risco de continuarmos celebrando a violência e a pulsão de morte. Espaços físicos de memória coletiva cumprem um papel fundamental para os processos de cura, ajudam a lembrar da dor e a restituir, ainda que de forma incompleta, os injustiçados. E podem ser como o museu de Bacurau, um lugar de resistência política.

Porque levantar, sacudir a poeira, virar a página e fingir que esse capítulo tão tenebroso ficou pra trás será a nossa ruína. 

Etnografias da pandemia 4: Educação e pandemia

Por Marina Ramos Neves de Castro, doutora em antropologia, professora do Ppgcom e da Facom, UFPA.

Amadeu é aluno da Universidade Federal do Pará. Ele mora no distrito de Mosqueiro, cidade de Belém do Pará com seus pais, a avó materna e um casal de irmãos. A prima Vitória, embora criada com eles, hoje mora na casa dos pais, mas fora passar ali a quarentena; ”Somos como irmão, e vez por outra ela passa uma temporada aqui”, coloca Amadeu.

A família é proprietária de uma escola de nível fundamental – do maternal à 5ª série – no distrito de Mosqueiro, onde trabalham a avó, diretora da escola; a mãe, coordenadora; tias e primas, todas com formações pedagógicas. Segundo Amadeu é “uma escola familiar de pequeno porte, com valor acessível”.

Durante a pandemia todos na família, na medida do possível, procuram manter a risca a quarenta, no entanto, enquanto donos da escola, e com responsabilidades que lhe exigem respostas às questões colocadas pela quarentena, há a necessidade dos membros da família deslocarem-se à escola para resolverem questões não somente burocráticas, mas sociais, econômicas e pedagógicas. Amadeu observa que a avó faz parte do grupo de risco “e não pode estar presente na escola”, então duas de suas filhas que são coordenadoras estão à frente das questões urgentes, deslocando-se diariamente à escola.

As dificuldades advindas com a suspensão das aulas em todo o estado do Pará para esta escola, vão da manutenção da mesma e do salário dos professores e funcionários, às questões de produção do conteúdo pedagógico para o uso de novas plataformas à inadimplência – visto que, segundo Amadeu “se já tinham aqueles que já tinham o costume de não pagar, de atrasar. Agora mesmo que não estão e não vão pagar. Já estão se recusando a pagar”. A superação da inadimplência é crucial para a manutenção de todo o resto.

A questão da manutenção da escola, pagamento dos salários de seus funcionários e manutenção dos professores são questões que, segundo Amadeu está preocupando a família. O desassossego quanto a isso foi parcialmente agravado com uma proposta que, naquele momento, estava tramitando na Assembleia Legislativa do Estado, de obrigar as escolas a disponibilizarem o desconto de 30% nas mensalidades escolares enquanto durasse a pandemia. Diante disso Amadeu observa que

“Tem sentido porque a escola não está tendo muita despesa com energia elétrica, por exemplo, é um momento de solidariedade e se tem que compreender que os pais podem estar recebendo menos. Faz sentido, faz. Mas tem Escolas e Escolas, pois tem escolas que o ensino infantil é 500 reais, 700, 800, enfim, lá (na escola da família) a mensalidade, o teto é 300 reais a mensalidade, mas quase nenhum aluno paga isso. Quase todos têm um desconto. Muitos pais pagam a metade, 150 reais. Quanto mais filhos uma família tem, maior o desconto. Reduzir 30% de uma mensalidade que custa em média 250 reais, e uma equipe no total de 21 funcionários está sendo bem complicado. Fora os que eram inadimplentes. Estão torcendo para que o Helder não aprove isso. Não sancione, porque está complicado. Os pais estão exigindo. Mas ainda não foi sancionado”.

Quanto a produção e confecção do material didático, Amadeu observa a grande dificuldade dos professores em produzir vídeos, assim como de produzir aulas e material a serem disponibilizados online para dar conta da demanda do currículo escolar e, também, da demanda dos pais, que exigiam uma resposta efetiva e rápida da escola às necessidades de aprendizagem e de atividades de seus filhos. Nesse sentido Amadeu foi importante, seja na produção de vídeos com conteúdo referente a cada série escolar e a cada professor, seja na disponibilidade desse conteúdo online, instrumentalizando tanto a substância da comunicação, como a mídia necessária para que essa substância/conteúdo chegasse aos alunos. “Precisei dar uma mão porque eles não entendiam de nada, absolutamente nada. Não conseguiam fazer um vídeo, e nem postar na internet.”

Foi considerado também pela equipe da escola as crianças que não tinham acesso à internet; muitas dentre elas. A resposta da escola foi disponibilizar xerox de todas as atividades. Muitas dessas atividades tiveram que ser substancialmente incrementadas – aumentadas e diversificadas -, visto que seriam realizadas pelas crianças sem a presença do professor e com a provável participação dos pais ou de outro adulto sem a formação adequada para trabalhar aquele conteúdo com a criança. Assim, esse material foi disponibilizado na escola para que cada familiar responsável pudesse ter acesso e levá-lo para casa.

Um mês depois dessa entrevista, continuamos com as aulas suspensas em todo o Estado do Pará. Quatro meses de pandemia e quarentena e não temos, nem a nível federal nem, nível estadual e nem a nível municipal, uma política que faça face às dificuldades no campo da educação (nem da saúde, nem da economia ou qualquer outra) que possa dar respostas, qualquer que seja, às necessidade e demandas da sociedade brasileira. Seguimos à mercê, sem Estado!

Etnografias da pandemia 3: Uma comunidade quilombola e a Covid-19

Por Marina Ramos Neves de Castro, doutora em antropologia, professora do Ppgcom e da Facom, UFPA.

Itapocu é uma comunidade rural quilombola que fica a cerca de 2h de viagem, de barco, de Cametá. Pertence ao distrito de Juaba, uma vila referência para os itapocuenses, pois é lá que na maioria das vezes, por ficar mais próximo de Itapocu em relação a Cametá, estes vão a feira comprar a comida da semana.

A base da economia de Itapocu vem da roça, da aposentadoria e pensões de trabalhadores rurais e do bolsa família. Acrescente-se também o benefício recebido através da Associação da Colônia de Caça e Pesca, o defeso, o benefício recebido uma vez por ano. Note-se que muitos fazem a solicitação do defeso, mas poucos são atendidos.

Ivone mora com os três filhos – os dois mais velhos de 13 e 15 anos, um casal, frutos da primeira relação, cujo pai mora em Belém, o marido atual e a filha mais nova, de 8 anos. A família de Ivone mora na Comunidade há cerca de 10 anos, depois que esta voltou de uma temporada em Belém, onde veio para trabalhar no serviço doméstico. Próximo a casa de Ivone mora sua mãe juntamente com seu irmão.

A casa Ivone fica a cerca de 5 minutos da ‘Comunidade’, ou seja, a Comunidade Cristão CC, local onde fica a Igreja da propriamente Comunidade. De acordo com Ivone, hoje moram cerca de cinquenta famílias em Itapocu; a cidade possui duas mercearias – mas onde produtos são mais caros e ‘só vende enlatados’, e dois bares – hoje apenas um funciona, mas vendendo bebidas para serem consumidas fora daquele local.

O mês de maio é especial para a comunidade, pois é quando ocorre o mês mariano, que é o mês do ano quando o terço é rezado durante a última quinzena do mês, todas às noites, na Igreja da Comunidade. Um momento importante de encontro e de afirmação de laços e crenças.

A igreja é dirigida pela paroquia de Cametá, de Santa Maria. O padre responsável vem de vez em quando à comunidade. Geralmente há duas missas anuais, uma de visita, uma da festa de padroeiro, e, quando ocorre, por exemplo, outra as missas “litúrgicas de sacramento”. Não há igrejas evangélicas na comunidade.

Aos sábados ocorre a catequização, assim como as reuniões para a tomada de decisão da comunidade.

Aos domingos ocorrem as reuniões, não só para ouvir a palavra de Deus, Celebração dominical, mas encontrar amigos e familiares que, apesar de morarem na mesma área rural, não ficam tão próximos. Com a pandemia esses encontros foram suspensos

Com a pandemia do covid-19, o terço do rito mariano que está ocorrendo em maio, está sendo realizado nas casas dos moradores da comunidade, e não na Igreja, como era de costume nos anos anteriores. No caso de Ivone, sua família reúne-se com mais duas famílias/casas, a de sua mãe e a de uma vizinha próxima, e o terço vem sendo feito a cada dia em uma casa diferente. E assim a comunidade segue fazendo o rito mariano que ocorre no mês de maio, evitando, segundo Ivone, “uma aglomeração maior de pessoas”.

Não há posto de saúde na comunidade. Para vacinação ou uma emergência qualquer, as pessoas devem se locomover até Juaba, onde tem enfermeiros capacitados para os primeiros socorros. Quando não resolve lá, o doente é levado de carro para a vila de Cametá. Foi o caso do irmão de Ivone que, ás 9h da noite sofreu um AVC, percorrendo uma estrada de chão batido que pode levar até 2h de viagem até chegar em Cametá. E quando chove é preciso encontrar uma lancha que possa fazer o transporte, o que pode chegar até três horas de deslocamento. A falta de atendimento em tempo hábil levou ao falecimento de Josué aos 36 anos de idade.

Segundo uma antiga moradoras de Itapocu que hoje mora em Belém, irmã de Ivone, “Itapocu não aparece no mapa, não existe para as autoridades, só existe em tempo de eleição para pedirem voto. A comunidade é totalmente desassistida!”

A necessidade que a Comunidade tem em relação a Cametá é imensa, pois nem em Itapocu e nem em Juaba há qualquer agência bancária. Ainda neste início do mês de maio Ivone precisou se deslocar para Cametá para poder receber o bolsa família, retirar o dinheiro da aposentadoria da mãe e da pensão da avó.

Assim como a mãe, Ivone além dos trabalhos domésticos, ela trabalha na roça junto ao marido, plantando mandioca, milho, melancia e verduras para a subsistência da família, além de, vez ou outra, conseguir vender o excedente da produção de farinha em Cametá. Com a pandemia a rotina da semana na roça mudou, e as idas à Cametá delimitou-se a uma vez por mês para receber, junto ao banco, os rendimentos devidos. Os filhos passam a estar mais presentes em casa e a participar das tarefas domésticas. Eduarda assumiu algumas funções como varrer a casa e lavar a louça de maneira mais sistemática. O banho continua sendo no igarapé. A propósito, com a pandemia Ivone nos revela que quando ela precisa sair, ao voltar para a casa ela antes de entrar vai tomar banho, se lavar no igarapé.

Outra prática costumeira em Itapocu era o jogo de futebol quase diário que ocorria por volta das 17h na comunidade. Em tempos de covid-19 os jogos estão suspensos. A comunidade tem se mobilizado sem, segundo Ivone, qualquer participação do governo. “A gente se sente desamparado, sem nenhuma informação, sem nenhuma orientação.  Não tem agente de saúde”. Toda e qualquer orientação vem da televisão – presente em boa parte das moradias, mas não em todas as casas, um exemplo é que nem na casa de Ivone e nem na casa da mãe de Ivone, tem televisão – e do rádio, e, suponho, de amigos e parentes que moram, principalmente em Belém.

Quanto ao agente de saúde, segundo Ivone é uma senhora de idade ela que mudou-se para Cametá, “e hoje em dia é sua filha que faz o serviço”, ou seja, passar uma vez no mês para “pegar assinatura” e, quando é preciso, fazer o necessário para que quem deve possa receber o bolsa família. A preocupação de Ivone é que “muitas pessoas não tem consciência da doença e não cumprem as regras das autoridades”.

Voltando a questão sobre as formas de comunicação que levam à informação sobre a andemia e os processos de quarentena e combate, além da televisão e do rádio, este ainda mais presente que as televisões, internet só tem em três residências, ainda assim com uma conexão muito rudimentar, que não cumpre com uma participação mais democrática, ainda que seja no recebimento de dados.

Tenho imensas dificuldades para falar com Ivone. As vezes consigo por telefone celular. Como o dela funciona com antena, e a distância que se interpõe entre nós, mais a deficiência de cobertura no interior do Pará, nossa comunicação é interrompida sistematicamente. Mensager também não funciona bem; as mensagens não são enviadas automaticamente, as palavras que me chegam são truncadas e o telefone de Ivone provavelmente é bem limitado. Ela não tem internet, não usa o Whatsapp e nem qualquer rede social.

Cidade Invisível – reflexões esparsas sobre a Pandemia, o Covid-19 e a memória

Por Rodrigo Maroja Barata, doutor em Antropologia, pós-doutorando no Ppgcom-UFPA.

Remeto-me a uma recordação de infância, tal uma autoetnografia: meu pai me inseriu, peremptoriamente, no círculo vicioso chamado cinefilia, portanto esta memória desperta uma película de 1923, recentemente restaurada pela Cinèmathéque Française, chamada Paris qui dort, de René Claire. Assisti a trechos dele num desses cineclubes em Botafogo (seria o Cineclube Estação Botafogo?), no Rio de Janeiro, pelos idos da década de 1980, ou isto já é um postal de minha memória re-criada? Em resumo, o filme narra episódios que iniciam quando um guardador da Torre Eiffel acorda numa bela manhã e vê Paris petrificada, sem ninguém nas ruas, nos comércios, nos pontos turísticos, desolamento na cidade luz, desolamento na festa da sociabilidade, tudo por causa de uma engenhoca mirabolante, criada por um cientista maluco.

Retorno à Amazônia, a Belém para ser preciso, onde vivo, particularmente, como meus contemporâneos, a pandemia provocada pelo Covid-19. O cenário de desolação é o mesmo, moro numa avenida muito movimentada, todavia ela dorme também, vivo numa cidade barulhenta, diversa, amazônida, nortista, com muitas festas para os sentidos, no entanto meus sentidos estão dormentes, a calmaria reina na superfície do asfalto, da cidade das chuvas; remeto-me logo a Ítalo Calvino, que, em seu livro Cidades Invisíveis, de 1972, obra emblemática pela poesia em prosa ou pela genialidade; nela, Calvino, com maestria, edifica, em palavras, cidades surreais, míticas, das memórias, dos símbolos, enfim, o viajante e mercador veneziano Marco Polo decide conhecer o reino de Kublai Khan, então passa a visitar todas as cidades dele, a fim de descrevê-las ao soberano dos Tártaros, e assim sendo, apresenta Maurília, cidade dos cartões postais, do que foi e não o é mais, por quê? Porque, para visitá-la, precisa-se vê-la nos postais, a fim de, por analogia, perceber o que nela não é mais o mesmo.


Evitem dizer que algumas vezes cidades diferentes sucedem-se no mesmo solo e com o mesmo nome, nascem e morrem sem se conhecer, incomunicáveis entre si. Às vezes, os nomes dos habitantes permanecem iguais, e o sotaque das vozes, e até mesmo os traços dos rostos; mas os deuses que vivem com os nomes e nos solos foram embora sem avisar e em seus lugares acomodaram-se deuses estranhos. É inútil querer saber se estes são melhores do que os antigos, dado que não existe nenhuma relação entre eles, da mesma forma que os velhos cartões-postais não representam a Maurília do passado mas uma outra cidade que por acaso também se chamava Maurília.

(Calvino, 1975: 15/16).

Os Deuses antigos abandonaram a cidade, então a memória resta? Quando a ancestralidade nos abandona, a cidade resta? O que sobra de nós quando um vírus nos avassala, a sociabilidade resta? Para Simmel (1961), a sociedade não existe per si, mas sim quando há interação, existe pelos indivíduos atrelados por uma necessária interação, ou seja, as nossas cidades visíveis, assoladas pela pandemia, elas restam? O que soçobrou com o isolamento social em que vivemos hoje, há mais de 40 dias, e o que restará, quando, como o guardador da Torre Eiffel acorda numa Paris que dorme, acordarmos numa Belém também adormecida, numa Amazônia de devaneios, será que teremos de relembrá-las por cartões-postais, e nesses postais, a realidade pós-Covid restará? Ou outra realidade, mais árida, será edificada, em descrições, por novos Marcos Polos a outros Kublais Khans?

Belém de antes possuía um rosto, como possuem rostos as pessoas e as cidades, portanto, onde poderemos guardar estas lembranças, num relicário desses antigos, antepassados, pertencentes aos Deuses que nos abandonaram? Novos Deuses sempre vêm, já vieram tomar os postos dos antigos, mas será que serão magnânimos ou impiedosos, será que permitirão a interação novamente ou só se preocuparão com o comércio e com a avareza? Será que permaneceremos isolados, em quarentena, por mais quantas luas? E se a lua também virar um postal? Que astro restará, nos céus de Belém, a minha cidade da memória, nesses céus que nos remetem a Calvino. Belém, como Paris, como Bragança, ou São Paulo, ou Berlim, estarão em postais para serem rememorados e comemorados quando a pandemia for embora junto aos Deuses ancestrais? Bem, continuo a minha autoetnografia com um passeio.

Deu-se assim: em meio à pandemia, tive de furar a quarentena para uma emergência, dessas que nos apavoram ou nos tormentam. Fui de táxi, de máscara, de luvas, armado com álcool gel, achando que qualquer superfície é adequada para o pouso do novo vírus: maçanetas, chaves, poltronas, dinheiro(????) enfim, o ar. Num susto, vi minha cidade dormindo, as ruas viraram desertos urbanos, os espaços desaclimatados e desabitados, por onde andarilham os flaneurs ou os transeuntes, pelo que vi, restam somente os sem-teto, os sem-nome, os sem-pátria, os sem-mito, sem deuses ancestrais. Cidade dos faroestes antigos de Sérgio Leone, a que assistia com meu pai. Senti, num determinado trecho do caminho, que um flautista tocaria Ennio Morricone, numa espécie de Once upon a time in Belém, e um rolo de feno atravessaria a rua lispectoriana tão deserta que se segue ao carnaval, do livro Felicidade Clandestina (1971), num conto que se chama Restos de Carnaval, e chego à conclusão de que é isto, desde as grandes guerras, desde outras endemias e pandemias, outros acidentes naturais, o que nos resta é a memória e estas subjetividades que nos transportam ao ontem.

Apego-me à memória, como a um bote salva-vidas. Sigo seguindo os protocolos da OMS, persevero em salvaguardar certas integridades, não é preciso mitos agora, erigidos por uma cegueira despótica. Meus mitos sempre foram guardiães dessa nossa galáxia pessoal e pública. Com certeza, os “deuses”, que vieram, esqueceram de ver os cartões postais. Estão à mercê de um milagre o qual nem eles são capazes de milagrar. 

Entraremos num novo tempo em que postais serão imprescindíveis para nos lembrarmos da Belém de antes, de cidades que outrora também foram e se reinventaram, ah, esqueci de dizer, no passeio de táxi, percebi que Belém já é outra cidade, nem precisei recriá-la na minha invisibilidade, as pessoas e as coisas mudaram depois do início do isolamento, depois do início da pandemia, e, depois dos mortos e dos feridos (na alma), fica a questão mnemônica, e Belém restará?

Etnografias da pandemia 2: Cuidado, Idade e família

Por Marina Ramos Neves de Castro, doutora em antropologia, professora do Ppgcom e da Facom, UFPA.

Mirtes tem 40 anos. Nasceu e sempre viveu em Castanhal, cidade localizada a cerca de 75Km de Belém, capital do Estado do Pará, com o tempo estimado de viagem entre as duas cidades de cerca de uma hora e meia de trajeto. A cidade possui pouco mais de 173 mil habitantes, de acordo com o último senso do IBGE. Casada, mãe de um adolescente de 16 anos.

O marido de Mirtes é funcionário da Companhia Têxtil de Castanhal – CTC, referência na cidade. A empresa já abrigou trabalhadores de várias gerações da família de Mirtes, incluindo seus tios e avós que lá trabalharam e se aposentaram pelos anos de serviço junto a esta fábrica de juta.

Mirtes mora com marido e o filho de 16 anos. Por vezes recebe a mãe para alguns dias de estadia, que, apesar de também mora em Castanhal, prefere ficar em sua casa onde mora com três de suas irmãs; ou ainda, em Belém na casa de amigos próximos, o que se fez hábito ao longo dos últimos vinte anos. Mirtes trabalha como cuidadora de uma senhora de 80 anos que mora bem em frente à sua casa. Assim, basta que ela atravesse a rua onde de sua casa para que ela alcance seu trabalho e possa dispensar os cuidados necessários a esta senhora. Ao longo do último ano a mãe de Mirtes tem, com certa frequência, dormido com a senhora, pois a mesma já não tem condições de ficar só.

Durante a pandemia, para otimizar os cuidados necessários à senhora de quem ela cuida, da mãe e das demais pessoas que dependem dela – as tias, o marido e o filho -, e manter a todos protegidos, Mirtes procurou isolar a senhora e a mãe na mesma casa, assim ela pode controlar o movimento de ambas e cuidar das duas. A responsabilidade que Mirtes tem sobre a Senhorinha – como ela a chama – é total, pois a filha desta mora já há alguns anos na Bélgica, acompanhando a mãe à distância, e vindo de tempos em tempos à Castanhal.

Desta maneira, em tempos de pandemia, somente Mirtes entra em contato com as duas, procurando evitar maiores zonas de contato entre o mundo e as duas, entre mundo e ela e entre ela e as duas. No entanto, Mirtes ainda tem o filho de 16 anos e o marido, este último segue trabalhando mesmo em tempos de pandemia. Acrescentamos a isso os cuidados que Mirtes tem para com as três tias que, durante o confinamento também estão isoladas. Todas estão na faixa de risco, além dos problemas de saúde que carregam, como a diabetes. Assim, as compras da semana de feira e supermercado, assim como de farmácia ou outra necessidade urgente, são feitas por Mirtes que procura mantê-las protegidas.

Logo de manhã cedo, quando ela chega a casa da senhora, ela tira a sandália – mesmo que ela tenha somente travessado a rua. Não recebem visitas. Já deixou claro isso. Ela também não vai na casa de ninguém, exceto para entregar as compras na casa das tias, mas evita entrar. Até o dia de hoje, 9 de maio, Mirtes tem a responsabilidade de suprir as necessidades imediatas desses três lares. Vinha, até então – observe que o lockdown foi imposto em 7 de maio pelo governo do Estado do Pará, a partir de 10 de maio quem estiver na rua sem justificativa pagará uma multa ou poderá ser preso – fazendo o supermercado uma vez por semana, ou indo à feira, o que fazia o possível para ser rápida nas compras. O que nem sempre conseguia, devido a lotação nos supermercados.

Em todas essas casas eles evitam sair até para comprar o pão, uma prática ordinária em suas vidas. Ainda assim, ela tem observado que tem gente no meio deles ainda não acreditam na pandemia. De todas as famílias que ela pode observar de mais perto, ela salienta-me que somente a dela está procurando fazer rigidamente a quarentena.

Mirtes relta que a família de uma de suas primas – funcionária de escritório de uma grande empresa nacional -, composta de 9 pessoas, ” e mesmo morando numa casa bem pequena, eles procuram seguir a quarentena rigidamente”, saindo de casa apenas aqueles que tem por obrigação o trabalho e, portanto, não podem deixar de ir. Uma imposição dos patrões.

Até o momento ela está tentando receber o benefício disponibilizado pelo governo, assim como esperando que duas de suas tias – que ainda não são aposentadas e não tem fontes de renda e a quem ela também cadastrou no sistema do governo para poderem receber o benefício disponibilizado às pessoas em vulnerabilidade -, também recebam.

O Marido, como observei, trabalha na CTC. Na atual conjuntura do Covid19, a norma para a entrada na fábrica tem sido rígida e uma série de procedimentos de proteção foram impostos na fábrica. Logo na entrada a temperatura de todos os funcionários é tirada, e, aquele que se apresenta 37ºC ou maior, imediatamente deve retornar para casa, entra em observação e é acompanhado pela CTC. Dentro da fábrica todos devem trabalhar com máscaras e distantes um dos outros; foi colocado vários lavatórios no local para que os funcionários possam, com frequência, lavarem suas mãos e braços. 

Mirtes segue, cuidado de cerca de oito pessoas, confinadas em três lares diferentes. Compreende sua responsabilidade e a dependência dessas pessoas a sua existência atual. 

Etnografias da pandemia 1: Pandemia, alteridade e autoetnografia

Por Marina Ramos Neves de Castro, doutora em antropologia, professora do Ppgcom e da Facom, UFPA.

fonte: shutterstock

Como cuidar de nossa saúde mental em tempos de pandemia? Como manter projetos, sustentar reflexões e engajamentos em tempos de pandemia? O que é uma pandemia para a construção das subjetividades e da  intersubjetividade? Daquilo que nos molda os pensamentos e os sentimentos e comandam, sub-repticiamente nossas ações?

Me provoco diante da necessidade de escapar de uma depressão que, também, sub-repticiamente me invade e ocupa meus dias. Uma ocupação não linear, mas com formas que se alteram, se disfarçam, me envolvem de maneiras múltiplas e com disfarces escamoteados, de cores sutis, disfarçadas em pequenos ensejos, me tornando uma presa do estado de inanição intelectual.

E na luta contínua, na luta em como dar sentido ao pensamento e verbo ao sentido, à vida, a uma forma de estar no mundo diante da morte? Mas não de qualquer morte, mas daquela anunciada e, quiçá, compartilhada, pois podemos ir todos juntos.

Este texto não procura clarear nada, evidenciar nada, mas somente questionar, porque diante da nulidade que a tudo pode apagar, só existe questionamento. Diante da morte em grande escala, sub-reptícia, só existe o vazio, a nulidade, o apagamento. O que são essas questões diante dos influxos do que chamamos de vida?

Não sei. E nem sei se posso encontrar alguma resposta.

Mas quero falar da decalagem entre o meu sentir e o meu agir. O temor é maior durante a noite. Certo sentir pânico, ainda que mediado pela razão, ocupa a mente e diminui as evidências do que pensamos, historicamente, ser racional. No entanto, diante de uma necessidade iminente de entrar em contato com o outro, o que se impõe em meu comportamento não é o pânico, mas uma medida corporal que evidencia certa racionalidade na direção do outro. Um estabelecimento que, me parece coerente e pertinente de agir, no esforço de deixar o outro protegido – sem no entanto deixar de me proteger. É como se um parâmetro maior – talvez movido por uma ética – conduzisse minha postura. Se o medo existe ele não é maior que minha imanência diante do mundo.

O medo, e até mesmo o estado de pânico que me devasta por alguns momentos-eternos (pois aqui perdemos o tempo diante da intensidade do sentir), perde espaço para certa coerência que, provavelmente, foi construída anteriormente e sempre na medida do outro, ou seja, sempre no processo de alteridade. A violência do medo durante a pandemia, ou a violência causada pelo medo, é recuada, acredito, diante de uma ética construída anteriormente na coerência. O receio é perder o limite entre uma ética imanente e a violência imaterial que transcende o viver junto, que transcende a própria alteridade.

Como efetuar um equilíbrio no mundo da vida (Leibnitz) que, pautado pela subjetividade – pois o medo tem um caráter subjetivo e, portanto, pode ser avassalador – vai interferir diretamente na minha relação com o outro? Uso o telefone para saber das pessoas por quem tenho afeto. Mas isso não basta em tempos de pandemia. Sigamos, procurando nos encontrar dentro das paredes que nos cercam.

Belém (Brasil), 24 de abril 2020

Texto origanlmente publicado no blog Confinaria: https://confinaria.hypotheses.org/779#more-779