O que queremos fazer aqui

Por Marina Ramos Neves de Castro, doutora em antropologia, professora do Ppgcom e da Facom, UFPA.

Um dos nossos objetivos é compreender como ocorrem os processos de interação em épocas de Covid-19. Compreender como as interações estão se produzindo com quem pode – por que estar em confinamento em uma sociedade desigual e hierarquizada, é um estado de poder – estar confinado. Como esses processos de interação – inerentes ao estar do homem – estão se produzindo? Através de que meios e maneiras, formas e conteúdos (SIMMEL), estamos interagindo? Que formas de socialidades e sociabilidades estamos produzindo? Quais são os conteúdos produzidos e, consequentemente, as formas sociais que estamos gerando?

Em tempos de corona vírus, que tipo de sociações – socialidades e sociabilidades – estamos gerando, mais especificamente, quais são as formas sociais geradas na periferia do capitalismo selvagem por aqueles que sofrem às margens e nas margens desse capitalismo. Ou seja, àqueles que estão exclusos, que estão fora do sistema de participação dos benefícios desse tipo de sistema; um sistema que beneficia, que dá a quem muito tem, e que deixa quem não tem mais desprovido e exposto às consequências do vírus.

Como se tem produzido a morte nas redes sociais? Quais as forma sociais geradas a partir da morte em tempos de Covid-19? Quais as construções do sentir-se com, do sentir-se bem, dos sentimentos de felicidades, das construções de sentido para a existência?

São tantas e diversas as construções dessas formas sociais que, acreditamos, hora produzidas, para uma análise desse organismo que aprendemos e queremos conhecer, a sociedade em que vivemos e que nos conforma. Assim, nosso objetivo é colocar essas formas sociais que emergem em tempos de pandemia em evidência, para que possamos, quando possível, gerar vacinas (informação e pensamento crítico), quiçá, contra os males desse corpo social – preconceito, discriminação, racismo, xenofobia, ódio de classe, etc. Pensamos que somente colocando nosso corpo social em evidência é que podemos tentar compreendê-lo e, assim, interpretá-lo para que possamos propor encaminhamentos que possam gerar os meios democráticos para o conflito benéfico de superação providos por esse mesmo sistema que, ao negar o confinamento à uns, promove a sua exclusão pela exposição ao vírus e aos males que surgem a partir deles, como a fome, a perda do emprego, a vulnerabilidade social, psicológica, física, familiar e de qualquer outra ordem. Males, dores, processos de psicopatia, pensamos, possam ser compreendidos através dessas formas que hoje construímos. Veremos. Assim esse espaço se coloca aberto a essas questões, a trocas que possam, em um futuro próximo, subsidiar nossas reflexões sobre esse tempo de pandemia.

Socialidades, intersubjetividades e sensibilidades sociais em tempo de pandemia

Por Fábio Fonseca de Castro, doutor em sociologia, professor do PPGDSTU-NAEA, Ppgcom e Facom, UFPA.

Estes « Cadernos do Sisa » se inauguram na conjuntura e através dela, com preocupação e compromisso com aquilo que é imediatamente contemporâneo e irridentemende quoditiano. Estamos nos mundo da vida, escrevemos nela, por meio dela e com o cuidado dela.

Nosso grupo de pesquisa tem partido da fenomenologia e das antropologias interpretativas para pensar as socialidades, sociabilidades, intersubjetividades e sensibilidades nos espaços amazônicos. Essas questões ganham novas significações e pertinências diante dos desafios colocados pela pandemia causada pela Covid-19 e pelos desafios de um confinamento massivo, difícil e mesmo impossível, para muitos. Diante desses desafios, devemos nos perguntar: o que podemos e devemos fazer? Que contribuição podemos dar para compreender nossa experiência diante do que está ocorrendo?

Partamos das questões que nos intrigam, quando nossas pesquisas se deslocam para pensar a saúde pública e a experiência contemporânea interposta pela pandemia:

  • Quais as práticas de sociabilidade possíveis em tempos de pandemia?
  • De que maneira a experiência da pandemia e, especificamente do confinamento, transformarão as formas da sociabilidade em nossas sociedades?
  • Como se produzem e reorganizam as sensibilidades diante dos enfrentamentos produzidos pela pandemia?
  • Como a pandemia transforma o mundo da vida, o quotidiano, o cuidado de si e dos outros? Que formas de intersubjetividade virão da sua experiência social? Que futuros sensíveis e insensíveis serão produzidos a partir da sua experiência?
  • Quais as formas do Estado e da política em épocas de pandeia? Que sensibilidades e “insensibilidades” se produzem? Quais as imagens possíveis para o Estado-protetor e para a necropolítica?
  • Quais as lógicas argumentativas que justificam o Estado-mínimo, o Estado-responsável, o Estado, as escolhas políticas e econômicas e as políticas públicas?
  • O que perdura, intersubjetivamente, do (repentinamente) “velho mundo” na sociedade doente e nas suas expectativas de futuro?
  • Que temporalidades projetam a existência, o medo, a morte, o afeto, a solidariedade em tempos de pandemia?
  • Qual o papel das tecnologias informacionais e comunicacionais num mundo pandêmico? Quais os sentidos de proximidade, conexão e distanciamento que surgem numa sociedade de risco?
  • Quais os efeitos da tecnologia sobre as formas de sociação, controle e circulação das identidades?

Estas e muitas outras perguntas surgem quando pensamos nossos trabalhos, compromissos e responsabilidades diante da situação presente.

Num tempo em que a ciência e a solidariedade são ameaçadas pelo binarismo, pelo terraplanismo e pelo autoristarismo de um projeto político conservador, excludente e intolerante, as ciências sociais também precisam estar a postos para ajudar a entender o que está se passando.

Num tempo em que as ciências da saúde convertem suas pesquisas na busca pragmática por medidas de contenção e superação da pandemia e num tempo em que as indústrias precisam se “reconverter” para atender às novas necessidades da sociedade, porque não devemos fazer o mesmo com nossas de pesquisas no campo das ciências sociais?

SISA

This blog intends to add research content and become a platform for scientific dissemination of the activities of the Research Group on Socialities, Intersubjectivities and Sensitivities in the Amazon, SISA.

SISA is based at the Federal University of Pará (UFPA), with researchers from two graduate programs, the PPG in Sustainable Development of the Humid Tropic, linked to the Center for High Amazon Studies (NAEA) and the PPG in Communication, Culture and Amazônia, based at the Institute of Litterature and Communication (ILC). Located at the Federal University of Pará – the most important university in the Amazon region, with about 40 thousand undergraduate students, 14 thousand graduate students, 2,600 teachers, 261 undergraduate courses and 89 graduate programs – SISA is committed to understanding the experience and worldviews of the Amazonian populations.

We are a research group with an interdisciplinary vocation, located at the confluence between phenomenology and the social sciences and dedicated to understanding the social experience of Amazonian populations. In this horizon, some phenomena are a priority to us: sociality, intersubjectivity, sensitivity, typification, affectivity. Some theoretical references as well, such as comprehensive and phenomenological sociologies, anthropological interpretation, ethnomethodology and deconstruction. One field is also a priority for us: the experiences of the Amazonian populations.

With this blog we hope to build an instrument of information, reflection and debate of interest to the scientific community interested in these sets of themes, but also to the general public, notably those interested in knowledge about Amazonian societies and cultures.