As dificuldades da comunicação de pessoas surdas na pandemia. Entrevista ping-pong com Lucian Rodrigues.

Por Jordan Navegantes e Juliane Nascimento.

“[com a máscara] eu não consigo entender o que a pessoa tá falando”. (L.R.)

Você bem deve saber o quanto o uso das máscaras é desconfortante, fere, dificulta nossas conversas, e escutas. O uso de máscaras é indispensável na luta contra o novo coronavírus. Mas, você já parou para pensar em como o uso das máscaras impede que deficientes auditivos e pessoas surdas possam fazer leitura labial das pessoas com quem conversam? 30 milhões de brasileiros apresentam algum grau de surdez, segundo a OMS (Organização Mundial da Saúde, 2020). Dentre eles, muitos são oralizados e grande parte consegue compreender uma informação ao ler os lábios de alguém.

Estudante de Letras com habilitação em Libras pela Universidade do Estado do Pará (UEPA), Lucian Rodrigues, de 22 anos, conhece bem os desafios, as lutas e os direitos de uma pessoa que possui deficiência auditiva. Principalmente pelo fato dele ser uma pessoa com surdez.

Morador do bairro do Sideral, na capital paraense, atualmente ele tem passado a maior parte da semana na casa da namorada, Emiliane Nascimento, no centro de Belém. Isso porque, lá, ele conta com o apoio dela e também tem acesso a uma internet de melhor qualidade – o que o ajuda nos estudos e trabalhos.

O atual período pandêmico tem sido marcado por diferentes enfrentamentos, cuidados redobrados e também pelo “novo”. Novas formas de se comunicar surgiram e, dada a importância de uma boa – e salutar – comunicação, estas mudanças são questões de necessidade. 

Imagem 1: Lucian Rodrigues, em um supermercado, conversando com um amigo via rede social Fotografia: Jordan Navegantes. 

J.N: Como tem sido o período da pandemia pra você? Tem enfrentado ou convivido com algum desafio?

L.R: Então, aconteceu que, durante a pandemia, o maior desafio pra mim foi o banco, o supermercado e a loja para fazer compras. Eu ia andando e encontrava com a pessoa usando máscara e tinha essa questão da dificuldade da comunicação, porque a pessoa usava máscara, falava e eu não conseguia fazer leitura labial. Eu dizia: “Eu não tô entendendo você”. Então, essa questão da comunicação era horrível e eu pedia para a pessoa tirar a máscara para pode ler seus lábios. E aí, a pessoa ficava assim: “Ah… Eu acho que não vou poder fazer”. E aí pedia para eu escrever no papel. Só que o atendimento demorava. Aí, às vezes, também a gente usava o celular, mas era grande essa questão da falta de comunicação. Por isso que eu acho importante todos aprenderem libras.

J.N: Você faz leitura labial, o uso das máscaras atrapalhou você nisso?

L.R: Então, eu sou oralizado. E, com o tempo, eu fui diminuindo mais a oralização. Mas, eu sou oralizado, sim! Então, eu tenho dificuldade sobre essa questão da oralização com a máscara, porque eu não consigo entender o que a pessoa tá falando. E também, a minha voz, a pessoa não consegue entender, por causa da questão da leitura labial. E eu sinto dificuldade de verdade. 

J.N: Você usa um tipo de máscara adaptada para surdos, certo? O que isso mudou para você? Qual a importância para o seu cotidiano?

L.R: Então, sobre a questão da máscara: Por exemplo, essa máscara, ela é ruim, veja. Não dá pra fazer a leitura labial. É melhor aquela máscara transparente, porque dá pra ver a boca, dá pra fazer a leitura labial. Quando eu uso, as pessoas me olham e perguntam: “Mas por que você tá usando transparente?”. Aí, eu explico que é para fazer leitura labial, para me comunicar melhor. As pessoas falam: “Ah! Entendi!”. Aí, começo a explicar e, também, a divulgar, né?, sobre a importância das pessoas usarem essa máscara transparente. E algumas começaram a comprar para se comunicar com surdos.

J.N: Se você pudesse definir o período que você tem passado durante a pandemia pela covid-19 em uma cor, que cor seria? E por quê? O que essa cor significa pra você?

L.R: Então, eu fiquei pensando e eu escolho a cor azul, porque essa cor azul, ela representa a comunidade surda. E também, a comunidade surda, a sociedade vê que existe surdo aqui no Brasil. E não podemos esquecer que nós existimos. E também, a questão da acessibilidade na comunicação.

Entrevista realizada em 27/10/2020.

Assista esta e outras entrevistas no documentário “Cores de uma pandemia”, no link: https://www.youtube.com/watch?v=icMmm5LJu2w. Conheça diferentes vivências desse período pandêmico atual. E ouça ao PodCast “As cores de uma pandemia” de hoje, sobre uma médica recém formada, que precisou se formar em meio à pandemia e já trabalhar com casos de covid-19. No link: https://anchor.fm/juliane-nascimento8/episodes/As-cores-de-uma-pandemia-em4kf6

Veja, também, o infográfico abaixo para saber mais informações relacionadas à comunidade surda: