Fenomenologia da pandemia 9: A reflexividade do tempo longo

Por Fábio Fonseca de Castro, doutor em sociologia, pesquisador do Sisa.

A pandemia, seja por meio da ansiedade diante da tragédia em curso, seja por meio do confinamento, favorece uma certa autoreflexividade que tateia a lonjura do tempo. Um autorreflexividade temporal centrada num misto de medo e tédio. Sim, nem sempre o medo resulta em pânico: há formas longas de medo, formas do medo mediadas pela quotidianidade, pela duração, pelo impasse.

A humanidade sempre teve medos de longa duração. Medos atávicos e cíclicos, que se renovam periodicamente, como o medo na noite e do escurecer; o medo do frio dos lugares frios; o medo da chuva, nos lugares mais úmidos; o medo das chagas, nas cidades portuárias, durante o verão; o medo das pragas que precede cada colheita…

Todas essas experiências são formas sociais do medo que se apresentam como exponenciais, potenciais e que, nesse sentido, não caminham ao lado do daquela outra forma social do medo, relacionada ao evento, ao fato, ao enfrentamento da situação.

Na pandemia, nós alteramos essas duas formas sociais do medo: numa hora, ele tem iminência, e em outra, tem preeminência. Numa hora é imediato e, na outra, potencial.

Certo, para muitos não há medo – ou, ao menos, a vontade política de afirmar não haver medo. Mas isso não oblitera a constante inconstância do medo, seja numa de suas formas sociais, seja na outra.

No medo imediato, o tempo acelera, encurta, fica perto, beira o pânico.

No medo potencial, o tempo desacelera, alonga, fica longe, beira o tédio.

Pensando aqui nessa última forma social do medo, penso nas suas virtudes. Quando o tempo é mediado pelo tédio ganha potencial reflexivo. É o velho “pensar na vida que passa”… Pensar na finitude… E como há muito a comparar – visto os medos acima referidos – há coisas a dizer.

Primeiramente, penso no que Françoise Dastur falou a respeito da reflexividade produzida como efeito da pandemia: “Ce que nous sommes tous en train de vivre en ce moment devrait nous inciter à devenir vraiment ce que nous sommes : des mortels”

Ou seja, o medo potencial, lento, longo, angustiante, diante do que está nos cercando – com sua permissível reflexividade.

Dastur fala, também, a respeito da função do tédio na produção da temporalidade. Sugere que o tédio (l’ennui) pode permitir perceber o “verdadeiro” presente,

“Ceci permettrait de retrouver une autre temporalité et de vivre véritablement au présent. Car le présent n’est pas seulement cette limite évanescente entre ce qui n’est plus et ce qui n’est pas encore, mais cette dimension essentielle qui retient en elle tout le passé et anticipe tout l’avenir”. Françoise Dastur

Ou seja,

Estamos aqui na dualidade do presente extático e do presente não-extático, colocado por Heidegger e, evidentemente, na dualidade entre o presente vivo e o presente morto, mencionada por Husserl.

O presente não-extático e seu análogo presente-vivo são esforços de impermanência.

A geopolítica das vacinas para COVID – 19. Momento histórico para o mercado nos lembrar quem é o terceiro mundo.

Por Jessica Solórzano Orellana, doutoranda no PPGDSTU, Programa de Pós-Graduação em Desenvolvimento Sustentável do Trópico Úmido, Núcleo de Altos Estudos Amazônico (NAEA), UFPA.

O dia 21 de janeiro de 2021 o governo do Equador celebrava a chegada de oito mil vacinas contra a COVID-19. Esse evento foi chamado pela mídia nacional, favorável ao governo, como “momento histórico”. O que não se diz desse “momento histórico” é que tinham que chegar, nessa data, oitenta e seis mil vacinas, contratadas com a farmacêutica Pfizer. O que, na realidade, converte esse “momento histórico” numa “vergonha histórica” da gestão da pandemia no pais. Até o dia 11 de fevereiro de 2021, Equador não tem recebido mais vacinas contra a COVID-19. Contudo, essa vergonha histórica não pode ser só atribuída ao âmbito nacional senão que é e deve ser compartilhada por todo o mundo, na gestão da pandemia.

Muitas críticas têm sido colocadas, no âmbito equatoriano, para a vergonha histórica na negociação de compra e chegada das vacinas ao Equador o que, na verdade, é a crónica de uma morte anunciada: péssima gestão do governo durante todas as fases da pandemia; chegada incompleta do lote de vacinas que permitirá a imunização de só quatro mil pessoas (0,023% da população do país, incluída a mãe idosa do ministro da saúde e seu grupo de cuidadores que, segundo ele não é corrupção, dando conta da arbitrariedade do processo de vacinação no país). Porém, todas as críticas que têm sido elaboradas, ao redor da temática, não dão conta de uma situação particular: os críticos à gestão do governo esquecemos que o Equador é parte do chamado “terceiro mundo” ou do grupo dos “países pobres”, segundo a Organização das Nações Unidas (ONU), e o mercado que se formou ao redor das vacinas, veio para nos lembrar disso.

Já a partir da metade do ano 2020 alguns países, sobretudo do grupo dos chamados “países pobres”, liderados pela Índia e a Sudáfrica, pediram na Organização Mundial de Comercio (OMC), para que as patentes, sobre vacinas e remédios para COVID-19, sejam liberadas. Todos os países foram convocados a se somar numa iniciativa que permitiria que laboratórios de todo o mundo pudessem produzir as vacinas, uma vez descobertas. Porém os blocos de países mais ricos (União Europeia, Norte América, entre outros) não deram passo à petição. Porque? Porque eles previamente tinham repassado grandes quantidades de dinheiro público ás grandes farmacêuticas privadas para o desenvolvimento da(s) vacina(s), com compromissos de compra adiantada de milhões de unidades, mesmo dois ou três vezes a quantidade necessária para imunizar as sus populações (como o fez o Canadá e USA, entre outros).

Fonte: https://www.lamarea.com/2020/12/22/vacuna-covid-patente-se-puede-patentar-el-sol/

Isto esclareceu duas coisas: primeiro, que o poder econômico dos países mais ricos lhes permite interferir na gestão das vacinas do mundo e, segundo, que não existem mecanismos de governança internacional que possam fazer frente às lógicas de mercado decorrentes das negociações econômicas entre Estados e empresas. Assim, revela-se que o mecanismo que se impus, na gestão da oferta e demanda de vacinas para conter a pandemia, foi o mercado, privilegiando o nacionalismo e as respostas baseadas no capital econômico.

Os desdobramentos da eleição dos mecanismos de mercado, sobre instituições/mecanismos de governança internacional, para gestão das vacinas para a COVID-19, têm vários desdobramentos negativos: 1) faz que o mercado das vacinas esteja sob amplo sigilo, entre empresas e Estados, sobre os contratos. Por esse motivo, alguns países como a Colômbia, nem podem divulgar planos de vacinação claros para a sua população. 2) ao monopolizar a demanda mundial de vacinas, pela não liberalização das patentes, Pfizer (a maior comercializadora de vacinas até agora, junto com a empresa Moderna que preveem ganhos exponenciais) não está conseguindo cumprir seus contratos, por problemas em produção e envios, atrasando os cronogramas de vacinação dos países. 3) A desconfiança que gera a lentidão na entrega de vacinas, leva a que os nacionalismos se exacerbem: A União Europeia comprou 400 milhões de vacinas antecipadas e agora, ao ter problemas com seus provedores sobre a entrega das doses acordadas, o bloco está pensando que a “solução” seria controlar fortemente as exportações de vacinas fora do seu território.

Neste contexto, como o mercado lembra aos países quem é o terceiro mundo? Na desigualdade profunda de acesso as vacinas e quem as recebe primeiro. A partir do início da pandemia, os países mais ricos já tiveram e ainda têm a possibilidade financeira de pagos antecipados por insumos médicos e pra eles, ao atuar em bloco, essa possibilidade se multiplica para conseguir acesso à limitada produção de vacinas. Com a América Latina desarticulada, sem as mesmas quantidades de dinheiro disponíveis, sem instituições como a União de Nações Sul-americanas (UNASUR) e com uma Organização de Estados Americanos (OEA) que não está trabalhando como líder na gestão continental da pandemia, países como o Equador está correndo sozinho na carreira pelas vacinas, nem tendo possibilidade de competir com as grandes potencias, senão pelos restos que quedam para os países pobres. Além do mais, os mecanismos de concorrência entre países se exacerbam já que não existe transparência nos custos de produção e distribuição das vacinas ao igual que o número de vacinas já entregadas, uma vez que os contratos com as farmacêuticas tem cláusulas de confidencialidade que impedem a divulgação pública desses dados.

Organismos como a ONU e a OMS tentaram e tentam neutralizar esse contexto: a iniciativa do Fundo de Acesso Global à Vacinas COVID-19 (COVAX pela nomenclatura em inglês) é resultado dessa tentativa, junto com algumas organizações, como a Gates Fundation. Porém existem algumas resistências com esta iniciativa já que aprofunda os mecanismos de mercado de vacinas para covid-19, impõe restrições de escolha aos países “pobres” e poucos países ricos têm se comprometido com a iniciativa. Todavia, é a única opção institucional organizada atualmente para garantir que existam doses de vacinas disponíveis para o “terceiro mundo” ao mesmo tempo que as grandes economias imunizam suas populações.

O atraso na entrega de vacinas para o Equador é catastrófico. Porém, o próprio ministro de saúde equatoriano (gestor ineficiente da pandemia) tem sido um dos atores a se colocar sobre a pouca escolha que tem os governos que participam da iniciativa internacional COVAX. E o Equador não é o único senão que, ao redor de 72 países, estão na tentativa de ter acesso às vacinas ofertadas por esta iniciativa, com fortes restrições para escolher provedor e quantidades a serem compradas. Só para os países pobres os organismos de governança internacional funcionam?

Quais são as previsões, dos países do “terceiro mundo” e do mundo inteiro, no contexto de oferta limitada de vacinas e a procura sem controle no mercado? Segundo o modelo analítico do MOBS Lab o 61% de mortes, no seguinte ano, pode ser evitada se a vacina fosse distribuída, de forma equitativa, entre todos os países de maneira proporcional à sua população, em contraste com o 33% de mortes evitadas se só os países do “primeiro mundo” se imunizam antes do resto do mundo.

Fonte: https://rutakritica.org/blog/2021/02/01/el-mal-gobierno-mata-y-no-hay-tiempo-para-perder/

The Economist indica que se continuam as lógicas de mercado, na distribuição de vacinas, a maior parte de países do mundo (os países do terceiro mundo) só terão acesso às doses no ano 2023. Isto não é um problema unicamente dos Estados Nacionais senão mundial. Contudo, marca uma clara línea entre países ricos e países pobres: a desigualdade no combate à pandemia aprofunda a já grande desigualdade econômica mundial; cresce a possibilidade de que novas variantes do vírus apareçam e deixem sem efeitos as vacinas, além de continuar colapsando sistemas de saúde, sobretudo aqueles mais frágeis (Manaus – Brasil é um claro exemplo disso); limitações em grandes grupos de mercados internacionais, exemplo, turismo de diferentes tipos, que são fonte de renda em muitos países do terceiro mundo.  

Uma das melhores saídas que tem o mundo é abrir as patentes das vacinas, opção discutida por vários cientistas ao redor do mundo contudo com fortes oposições na Organização Mundial do Comercio. No Brasil é uma discussão importante, discutida pelos cientistas, já que sendo o maior pais da América do Sul, com quase 200 milhões de pessoas para imunizar e sendo um dois países com mais número de mortes do mundo, tem a infraestrutura e o capital humano para produzir as vacinas e existem diferentes mecanismos legais para isso. Porém o governo federal tem tido um posicionamento negacionista da pandemia e seus efeitos e é um dos países que se opõe à liberação das patentes o que o deixa, por agora, sem possibilidades de ter uma posição de liderança no continente na produção de vacinas.

E o Hangar?

Por: Vitória Mendes, mestra em Planejamento do Desenvolvimento pelo Programa de Pós-Graduação em Desenvolvimento Sustentável do Trópico Úmido do Núcleo de Altos Estudos Amazônicos (NAEA-UFPA), pesquisadora do Sisa.

“Todos nós temos duas cabeças e duas memórias. Uma cabeça de barro, que será pó, e outra invulnerável para sempre às mordidas do tempo e da paixão. Uma memória que a morte mata, bússola que acaba com a viagem, e outra memória, a memória coletiva, que viverá enquanto viver a aventura humana no mundo.” (Eduardo Galeano. 1760, Bahia: Tua outra cabeça, tua outra memória).

Há, no entanto, uma dimensão política que garante que a memória coletiva sobreviva e seja invulnerável às mordidas do tempo. Há quem decida de que forma a memória coletiva será “preservada” e infelizmente os vencedores têm sido mais eficazes em fazer com que o nosso imaginário coletivo celebre coisas como a colonização, o progresso, o desenvolvimento… Eu não pretendo escrever aqui um ensaio muito elaborado sobre o tema a partir das perspectivas teóricas, mas pensei em compartilhar uma reflexão baseada em nossa reunião mais recente do grupo de pesquisa.

Nós conversávamos sobre o Museu de Bacurau e como aquele espaço físico retratado no filme foi o epicentro da resistência dos moradores na hora do conflito mais sangrento daquele povoado. Isso nos levou a pensar sobre o Hangar, o centro de convenções de Belém que hoje é um hospital de campanha e recebe os pacientes em estado grave da Covid. 

Fiquei especulando sobre o quanto seria estranho voltar a frequentar shows, congressos e feiras nesse lugar. Como voltar a frequenta-lo da mesma forma que fazíamos antes, sabendo que esse mesmo espaço testemunhou de forma tão significativa as dores da pandemia? 

É necessário que não seja esquecido que em lugares como esse centro de convenções perdemos muitas vidas e salvamos outras. Que profissionais da saúde enfrentaram sobrecarga de trabalho, familiares receberam notícias ruins, muita gente morreu. 

Penso que a população de Belém precisa se organizar para que, ao menos uma parte do Hangar seja transformada em um memorial. Um espaço de lembrança dos tantos que se foram, de respeito aos profissionais que estiveram na linha de frente do combate à doença e, sobretudo, de registro histórico da situação política de um país sob um governo genocida.

Gerações futuras precisam saber que a pandemia foi agravada pelo projeto político genocida de Bolsonaro, que não deveríamos ter chegado a2021 sob uma segunda onda de contágio tão letal. É preciso que deixemos registros vivos do pânico e horror que vivenciamos por todo o Brasil e acredito que o Hangar seja o que melhor representa isso em Belém. 

Precisamos elaborar o luto coletivo num país onde mais de 200 mil pessoas morreram. Essa elaboração do luto, lenta e dolorida, não pode ser negligenciada socialmente e deve partir da sociedade civil, pois se dependermos apenas das autoridades para liderar esse processo, correremos um sério risco de continuarmos celebrando a violência e a pulsão de morte. Espaços físicos de memória coletiva cumprem um papel fundamental para os processos de cura, ajudam a lembrar da dor e a restituir, ainda que de forma incompleta, os injustiçados. E podem ser como o museu de Bacurau, um lugar de resistência política.

Porque levantar, sacudir a poeira, virar a página e fingir que esse capítulo tão tenebroso ficou pra trás será a nossa ruína.