Quando a universidade visita o MST

Fábio Fonseca de Castro e Marina Ramos Neves de Castro

Algumas considerações sobre a necessidade do “tempo lento” no fazer jornalístico e comunicacional e sobre as conexões possíveis entre ensino, extensão e pesquisa.

No último fim de semana (16 e 17 de junho) levamos nossos alunos, do curso de Comunicação-Jornalismo e do Programa de Pós-Graduação em Comunicação, Cultura e Amazônia, da UFPA, para o assentamento João Batista 2, do Movimento dos Sem Terra (MST). O objetivo foi mostrar aos alunos como funciona um assentamento, os princípios da agroecologia, a educação para o campo, o desenvolvimento rural sustentável, a segurança alimentar, a economia solidária e o sentido da luta social pelo direito à terra e a produzir alimentos saudáveis. Fizemos este texto para refletir um pouco sobre essa experiência e sobre seu sentido, num curso de jornalismo e no contexto contemporâneo da sociedade brasileira, marcado pela tentativa de criminalização desse importante movimento social que é o MST.

Imagens Sisa.

O projeto começou em dezembro do ano passado quando, no curso de Estudo de Temas Amazônicos I, que ministrava para essa turma (Fábio), precisamente numa aula sobre as ruralidades amazônicas, uma aluna mencionou como ficou espantada ao saber que havia um assentamento do MST dentro do município de Belém – o assentamento Abril Vermelho, localizado na ilha do Mosqueiro. Igualmente grande foi meu espanto ao perceber que o conjunto dos alunos não tinha conhecimento disso e que compreendia a ação do MST como algo muito distante da sua realidade, como algo quase intangível, associado a áreas distantes e isoladas da Amazônia – o que, por si só, já sugeria um desconhecimento da própria dinâmica dos conflitos produtivos, também presentes em espaços urbanos e periurbanos.

Espontaneamente perguntei (Fábio) à turma se gostariam de conhecer um assentamento e sugeri que conversassem, a esse respeito, com a Marina, imaginando o quanto ela gostaria da ideia. Por coincidência ou destino, a Marina acabou sendo professora, dessa turma, no semestre iniciado em março deste ano, na disciplina Estudos de Temas Contemporâneos, voltada para a discussão sobre problemáticas atuais do Brasil e do mundo. O assunto da visita ao assentamento ressurgiu e frutificou.

Objetivos e logística

Estabelecemos uma meta de trabalho de disciplina centrada na produção de materiais em vídeo, áudio, fotografia e texto (Marina) e começamos a produzir a viagem. Escolhemos o assentamento João Batista 2, localizado no município de Castanhal, a cerca de 100 km de Belém, por razões colocadas no próximo tópico. Por fim, conseguimos fazer a viagem coincidir com a festividade anual da comunidade quilombola do Bacuri (16/06), vizinha ao assentamento visitado – o que constituiu uma oportunidade a mais, para nossos alunos, de conhecerem a realidade amazônica.

13 alunos de graduação, 1 de mestrado e 1 de doutorado participaram do projeto. Os alunos de graduação dividiram-se em quatro equipes: uma para desenvolver as imagens para documentário, outra para a produção de reels, outra para a produção de imagens fotográficas e outra para produção de podcasts. Os alunos de mestrado e doutorado, nossos orientandos, ambos jornalistas, ocuparam-se da tarefa de mediar a produção dos conteúdos.

Do ponto de vista logístico, tivemos apoios fundamentais: a UFPA forneceu do ônibus, com o motorista; o ILC custeou o seguro viagem dos alunos, obrigatório; o companheiro Nonato cedeu sua casa, no assentamento, para nos abrigar e o SISA, nosso grupo de pesquisa (Grupo de Pesquisa Socialidades, Intersubjetividades e Sensibilidades Amazônicas) custeou a alimentação e sua preparação.

Fora isso, tivemos inúmeros apoios: Acima de tudo, a @Maria, vice-presidente do Assentamento João Batista II, que, incansavelmente, articulou nossas agenda e visita e muitas pessoas que contribuíram com o projeto, dialogando com nossos alunos e que fazemos questão de mencionar: dona Áurea, Sandra, Paula, Emanuelle, Arlene, Valdinéia, Eder, seu Batata, seu Pantaleão, seu Manelão, dona Marília, seu Bigode, Edmilson, dona Chermont e, é claro, a Joice Kelly, que, com seus 3 anos de idade, fez questão de nos acompanhar em todos os percursos.

Contextualizando

Escolhemos esse assentamento em função do diálogo já iniciado, quase cinco anos antes, com as pessoas de lá. De fato, foi o Pedro, nosso filho, quem iniciou esse diálogo, num processo de formação política que ele desenvolve em vários municípios do Pará. O Pedro, economista e mestrando no Programa de Pós-Graduação em Desenvolvimento Sustentável do Trópico Úmido da UFPA, e que também é, atualmente, secretário geral do Partido do Trabalhadores do município de Belém e diretor de Planejamento da Secretaria de Meio Ambiente dessa cidade, já esteve várias vezes no referido assentamento e tem muitos amigos por lá. A partir dele, a Marina chegou lá, com ações da Marcha Internacional das Mulheres e eu mesmo (Fábio) cheguei lá fazendo pesquisa científica sobre os imaginários sociais da ruralidade amazônica – e eu (Marina) fazendo pesquisa sobre as sensibilidades políticas dos assentamentos. Nesse contexto, conhecemos razoavelmente bem o assentamento João Batista 2 e, justo dizer, temos amigos por lá – embora tenhamos amigos, igualmente, em outros assentamentos.

Na nossa família, política, ensino, extensão e pesquisa, graças a Deus, andam juntas e são, até, a mesma coisa. Isso resulta em compreender o jornalismo não, centralmente, como uma profissão, mas sim como uma possibilidade de narrar a realidade. E resulta em compreender a economia não como uma ciência do planejamento, mas, sim, como ação. E resulta em compreender a antropologia e a sociologia não como disciplinas, mas como procedimentos de encontro com a alteridade.

O roteiro

No primeiro dia conhecemos a escola local, Roberto Remigi. Fomos recebidos pelas professoras diretora Mayana, pelas professoras Paula e seu grupo folclórico Resistência, Professora Emanuelle, pela Carla, e mais outros representantes e professores da Escola, e, ainda os alunos!

Almoçamos e, em seguida, visitamos alguns lotes do assentamento: O lote da dona Arlene, centrado na produção de ovos – com uma produção de 3 mil ovos por dia. O lote do seu Éder e de Valdinéia, que produz leguminosas. O lote que possui 3 mil pés de açaí e o lote do Nonato (onde dormimos) que plantou 6 mil pés de açaí.

Nesse dia, à noite, fomos à festa da comunidade quilombola do Bacuri, com direito ao espetáculo do  Boi-bumbá Resistência, criado e mantido pela professora Paula, da escola Roberto Remigi. E como tripa do Boi tivemos nosso aluno Addam, que apresentou-se maravilhosamente! Participamos também do bingo e, bom, ganhamos prêmios!!!

Extensão, ensino, pesquisa

Muitas reflexões surgem dessa experiência. Pensamos que a ação universitária é necessariamente integral. Ensino, pesquisa e extensão convergem – ou devem convergir – na direção de construir mundos e interpretações.

Por isso mesmo, nossas pesquisas não se limitam a uma investigação pontual. Elas cotejam a realidade, elas são-junto, estão, fazem-parte, são-aí. Convergem na direção participativa da extensão. Estamos no campo todos os dias, trazemos o campo para sala de aula, sempre na esperança de romper com as visões de mundo convencionais.

Ademais, uma visita a um assentamento do MST é um processo de construir instrumentos metodológicos e promover vivências a partir dos fazeres e saberes referenciados por interlocutores que estão no mundo-da-vida que é nossa matéria prima de trabalho, pois, por meio de suas compreensões, podemos construir entendimentos sobre a realidade e seus desafios.

O tempo longo

O ensino do jornalismo tende a obedecer à dinâmica da ação profissional do jornalismo, marcada pela agilidade e velocidade, o que exige uma visão generalista do objeto pesquisado. Trata-se da cultura da pauta, do briefing, do lead, do resumo, da síntese e da objetividade factual. Embora isso seja uma realidade, uma demanda prática do fazer jornalismo, cremos que é importante, igualmente, lembrar que o jornalismo pode ter variações temporais úteis para compreender a realidade. São lições que, particularmente a antropologia, pode aportar ao saber-fazer do jornalismo. E é o que fazemos, enquanto pesquisa em comunicação: criar alternativas para um conhecimento não abreviado, sintético ou objetivado da realidade; permitir o tempo longo.

Por isso optamos em não fazer sínteses e “aulas preparatórias”, mas deixar aberta a possibilidade de encontro com a alteridade. Não fizemos resumos sobre o que é o MST, o assentamento visitado, o contexto das lutas pela reforma agrária, a agroecologia, etc, justamente para permitir o encontro com a alteridade sem essas mediações informacionais que pontuam o jornalismo e que, eventualmente, podem limitar a experiência de encontro com outra realidade.

Ao falar sobre isso lembramos, imediatamente, a conhecida fórmula de Canclini quando diz “o antropólogo chega à cidade a pé, o sociólogo de carro e o comunicólogo de avião”, ou seja, o conhecimento de um lugar, de uma sociedade, de uma comunidade, de um tema, de um processo social, pode fazer uso de diferentes “velocidades” para ser produzido. E que tal se o comunicólogo ou o jornalista experimentassem, de vez em quando, uma velocidade lenta? Um tempo lento?

O tempo lento permite que o jornalismo alcance uma de suas dimensões fundadoras – e, provavelmente a mais escondida na sua forma contemporânea: a sua função hermenêutica.

O fazer jornalístico

Com vários alunos, ao longo da viagem, pudemos conversar a respeito do “fazer jornalístico”. Devendo eles produzirem conteúdos a respeito do que encontravam no assentamento, percebi o quanto se sentiam (relativamente) inseguros pela ausência de pautas, briefings, textos de apoio, mapas, imagens, vídeos e aulas sobre o assunto. Nosso mote de que “o conhecimento pode ser dar pelo simples encontro com o outro” não inspirava confiança. Interessante pensar em como a cultura contemporânea demanda a antecipação da experiência – ou um predicado para a experiência. Uma antecipação que, ao custo de infundir, nos alunos, uma ilusão de segurança.

Imagens Sisa.

Como professores de comunicação, de jornalismo, nós queremos ajudar os alunos a cultivarem a sensibilidade, a surpresa, o espanto e a criatividade muito mais do que a sensação de segurança e seus apostemas consequentes, como as perguntas prontas, o elogio do senso comum, as fórmulas textuais e a subserviência ideológicas aos interesses do empregador –coisa que, por sinal, é outra forma de dizer “autocensura”.

Com esse propósito, sutilmente, fomos acompanhando a maneira como nossos alunos desenvolviam suas tarefas: quais perguntas faziam, como se dava o encadeamento das questões elaboradas, como agiam diante de informações novas e inesperadas, que ângulo e qual enquadramento de imagem buscavam, como lidavam com as escolhas técnicas que deviam fazer… Não se tratava de avaliar habilidades, mas de compreender como, comunicacionalmente – na sua comunicação com o outro – procediam: como ouviam e diziam, ou, melhor, como ocorria o dar-receber-retribuir da informação, nos horizontas de teoria da dádiva, de Mauss, que também se faz presente na ação do diálogo e da produção de conteúdos comunicacionais.

Imagens Sisa.

Rompendo assimetrias

Viajar com os alunos permite, ainda, um outro tipo de experiência: romper as assimetrias presentes no quotidiano da sala de aula. Partilhar a expectativa da viagem, as refeições, a casa em que se dorme, o banho de igarapé, o empurrar do ônibus atolado estabelece uma proximidade que poderia existir mais d-facilmente, não fosse a estrutura mecânica do sistema de aulas ao qual nos habituamos, estruturado por mecanismos de poder que garantem, justamente, essa assimetria nas relações docente/discente: horários específicos, conteúdos específicos, controle de frequência, avaliações.

Pudemos conversar com vários alunos e alunas durante a viagem, e sobre assuntos diversos: desde o conteúdo das disciplinas do curso de comunicação até séries e streamings, passando por política, religião, o futuro do jornalismo, música etc. Penso que se não fôssemos submetidos de maneira tão rigorosa ao sistema de controle das assimetrias na educação superior, todos aprenderíamos mais e seríamos mais felizes – simplesmente porque poderíamos lembrar que ensinar e aprender não são verbos necessariamente apartados por aparelhos ideológicos de idade, diplomas ou “lugares de fala”.

O que significa conhecer o trabalho rural?

Quando falamos em tempo lento nos referimos à possibilidade de fazer o trabalho jornalístico com uma perspectiva etnográfica, compreendendo o mundo a partir do outro e dialogando com a própria experiência. Não obstante, o trabalho no campo tem, igualmente, a sua lentidão, a virtude da lentidão. Isso se manifesta de muitas maneiras, sempre a partir do ciclo dos diferentes cultivos e criações, que demandam a preparação da terra, a semeadura, o cultivo, a colheita e o comércio dos bens. Igualmente, o trabalho no campo é lento. E é fatigante. Plantar doze hectares de mandioca exigiram, a seu Batata, um dos nossos interlocutores, dias infinitos de trabalho muito duro. E ele o fez sozinho. Terá ajuda para a colheita, é verdade – ou para as sucessivas colheitas: a das folhas, para fazer a maniçoba; a dos tubérculos e, por fim, a da maniva, os talos que germinarão no futuro e que serão doados a quem quiser produzir.

Tudo isso é lento, iterativo, fatigante. Ao menos ao olhar dos alunos de comunicação, em sua maioria urbanos, sintonizados com múltiplas dinâmicas informacionais extremamente ágeis. O próprio sentido de luta social, no campo, na dinâmica do MST, nem sempre é compreensível para indivíduos que também fazem sua luta social, embora num ambiente urbano.

Na verdade, pensamos que é muito importante que todos compreendam o sentido do tempo lento da vida e do trabalho rural. Nossos alimentos são produzidos com necessária e saudável lentidão – apesar de, algumas vezes, serem consumidos com impressionante rapidez…

Conhecer o tempo do campo é como aprender a respirar fundo; e lentamente. Comunicar também pode significar parar, respirar fundo, olhar, escutar, cultivar os sentidos que vão surgindo…

Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search